Como fazer promoções de vendas? 5 estratégias que funcionam

Fazer promoções, independentemente do segmento, é sempre um trunfo muito importante para alavancar as vendas. No entanto, é preciso estruturar bem essa ação para que ela não tem o efeito oposto e leve o seu negócio a ter prejuízo. Por isso, para te ajudar a elaborar uma boa promoção, preparamos aqui um conteúdo completo sobre como fazer promoções e ainda com 5 estratégias que realmente funcionam. Leia até o final para saber tudo o que precisa para fazer uma boa estratégia de vendas.

Seja estratégico

O primeiro passo para começar a estruturar uma boa promoção é ser estratégico. Mas, exatamente o que isso quer dizer? Vamos lá!

Você deseja fazer uma promoção com que objetivo? Essa é a primeira reflexão necessária. Sua loja é nova, então você quer se lançar no mercado? Você está com um produto x encalhado no estoque? Suas vendas estão muito baixas? Definir esse objetivo é o que vai nortear a sua ação de promoção e também como será a divulgação dela para o público.

Objetivo definido? Vamos para o próximo tópico!

Mostre o seu valor

As promoções são uma estratégia de marketing que serve para conseguir novos clientes e fidelizar os que já conhecem a sua marca. Por isso, é tão importante definir as estratégias de marketing e a forma de divulgação da promoção.

Essa estratégia não pode e nem deve se basear apenas no preço mais baixo. Destaque os motivos pelos quais o seu produto ou serviço é importante para o cliente, quais os seus diferenciais, suas vantagens, etc. Enfim, seja persuasivo e venda o seu peixe. Esperar apenas que baixar o preço faça chover clientes não é uma opção viável.

 

Material gratuito: quem é o seu cliente?

Divulgação

Escolha muito bem onde e como você vai anunciar a promoção. Para isso, tenha em mente o seu público-alvo e invista recursos e esforços nas plataformas em que vai conseguir uma comunicação efetiva com essas pessoas. Isso vale para plataformas on e offline.

Leia também: A importância do marketing em momentos de dificuldades

No online acaba por ser muito mais prático e barato criar promoções e com a estratégia certa você consegue fazer isso sem desembolsar muito dinheiro. Por isso, é tão importante estudar e definir todas as suas estratégias e recursos antes de lançar de forma apressada a sua promoção.

Como fazer promoções? Confira 5 estratégias

Agora que você já sabe o que precisa definir antes de lançar uma promoção, vamos falar sobre 5 estratégias que funcionam quando o assunto é sobre como fazer promoções:

1- Cupom desconto

Uma das maneiras mais conhecidas atualmente de lançar uma promoção é com cupom desconto. Atualmente existem recursos online para fazer roletas e liberar descontos na hora da compra. Ou ainda os mais tradicionais, que a pessoa utiliza um código para conseguir x por cento de desconto. Apesar de bem “batida” essa estratégia pode alavancar as suas vendas.

Roleta de descontos

2- Descontos progressivos

Para aumentar o valor de cada venda, uma estratégia muito boa são as de descontos progressivos. Então, se a pessoa leva um produto ganha tanto de desconto, se adicionar um segundo produto esse desconto é maior ainda, e assim sucessivamente. Ou ainda, compre tantas peças e uma é gratuita.

3- Promoções tradicionais

Quando o assunto é vender o que importa mesmo é a forma de anunciar e, se as condições forem boas, o cliente vai comprar. Então, o tipo de promoção mais antigo do mercado ainda está valendo, seja para lojas físicas ou virtuais, simplesmente abaixar o preço e fazer uma boa propaganda ainda vende.

Leia também: Empreendedorismo digital – o que é e como explorar essa possibilidade?

4- Exclusivas

Que cliente não deseja se sentir único? Então, criar promoções exclusivas pode ser um bom atrativo para alavancar as vendas do seu negócio. Você pode criar ações especiais para pessoas que já compraram na sua loja, ou ainda oferecer descontos para aqueles que deixaram os produtos no carrinho e não efetivaram a compra (no caso de e-commerce).

Vale também oferecer descontos em plataformas específicas. Um exemplo disso, é o que o Magazine Luiza vem fazendo no Twitter, com promoções diárias especiais para os usuários dessa rede social, especificamente.

Promoções Magazine Luiza Twitter

5- Datas

Nosso último exemplo de promoção que funciona muito bem é a baseada em sazonalidades. Por exemplo, as de datas comemorativas, como Dia das Mães, Dia dos Namorados.

Também é uma promoção muito aguardada pelos clientes, e que se torna uma oportunidade de vender os produtos encalhados, as de troca de estação, como no caso de loja de roupas. Quando uma nova coleção chega, de acordo com as estações do ano, as peças remanescentes da coleção anterior podem ser vendidas com preços menores e evitar prejuízos e também que ocupem espaço no estoque na loja.

#Extra: frete grátis

Em tempos de pandemia, um trunfo que pode ser determinante para o seu negócio é oferecer o frete grátis. O valor que iria ser pago no transporte pode, inclusive, animar o comprador para levar mais produtos seus. Então, pesquisa a viabilidade de investir nesse tipo de estratégia de promoção, certamente renderá bons frutos para a sua empresa.

Precisa de ajuda?

Agora que você já sabe tudo sobre como fazer promoções é hora de colocar a mão na massa e alavancar as vendas. Se o seu negócio não está caminhando como deveria, pode contar com os serviços de consultoria da Mais Consultoria. Há quase 20 anos a empresa é responsável por alavancar negócios com os seus serviços de Estratégia, Gestão Financeira, Otimização e Qualidade. Conheça aqui a Mais Consultoria.

 

Peça um diagnóstico gratuito da sua empresa

 

A importância do marketing em momentos de dificuldades

A crise econômica brasileira ocasionada pelo Novo Coronavírus já compromete a renda das famílias. Ela tem sido responsável por 8% de contração do consumo e até 15% de redução dos salários (dados Ibre). Dessa forma, em tempos de crise é preciso que as empresas sejam muito mais criativas para lidar com a retração de mercado e manter um ritmo saudável de vendas. Nesse sentido, a importância do marketing fica ainda mais evidente. Veja como essa área de conhecimento pode ajudar o seu negócio a contornar a crise.

A importância do marketing: adaptabilidade

O marketing é a área responsável entregar valor para satisfazer as necessidades dos clientes. Para isso, constantemente os profissionais qualificados para fazer a avaliação de cenários. A partir disso, é possível definir as prioridades do momento e identificar oportunidades.

Em tempos de crise essa adaptabilidade é uma vantagem que o marketing pode levar para o seu negócio. Por meio de avaliações do seu produto atual é possível encontrar maneiras de divulgação que o façam se destacar neste momento. O que pode ser feito com uma promoção ou uma nova abordagem para demonstrar que o seu cliente precisa das suas soluções.

Vale destacar ainda que, o marketing pode fazer um direcionamento estratégico de investimentos e posicionamento da companhia. Até porque, as escolhas de investimento ou cortes devem estar pautadas pelas estratégias delineadas  e não pela crise. 

Veja abaixo 4 aspectos que demonstram a importância do marketing em tempos de crise.

Gestão de produtos

Em tempos de crise é importante fazer uma revisão da cartela de produtos oferecidas. É necessário avaliar a sua viabilidade econômica (relacionada com questões logísticas e financeiras). Além disso,  diretamente relacionado ao marketing, ponderar se essa oferta de produtos condiz com a realidade de mercado.

Por exemplo: em um restaurante com um bom espaço físico, amplo e com capacidade para muito pessoas que sempre fez propaganda em relação ao espaço para eventos com buffet. Qual o sentido de continuar anunciando o produto dessa forma em tempos de pandemia,  quando a principal orientação é o distanciamento social?

Então, uma alternativa de gestão de produtos que pode ser apresentada pelo setor de marketing nesse caso é transformar o produto em Delivery, neste caso, a refeição que a pessoa poderia consumir no espaço do restaurante pode ser desfrutada por todo o grupo familiar no conforto da própria casa.

Esse é o exemplo mais nítido de uma mudança necessária para períodos de isolamento. Mas, se aplica para todos os setores da economia. Com o home office as pessoas tendem a sair menos de casa, ou seja, usar menor “roupas de sair” de optar pelas confortáveis. Então, comércios de vestuário também devem se adaptar, o mesmo vale para os serviços, que tendem a ser consumidos online, como é o caso de aulas de yoga, inglês, etc.  e assim por diante.

Leia também: Como vender em tempos de crise do coronavírus?

Branding

Outra percepção do setor de marketing essencial em momentos de crise é o cuidado com a imagem da marca. Branding é a estratégia de marketing que presa pelo posicionamento de marca, trabalhando desde a sua identidade visual, tom de voz, até como essa empresa se relaciona com o cliente.

Em momentos de crise, além do marketing focado em produtos, é muito importante ter uma estratégia de fortalecimento de marca para fidelização do cliente. Isso porque é esse tipo de ação mais institucional feita a partir dos  valores e diferenciais da marca é  que criam uma relação de confiança do consumidor com uma determinada empresa.

Em tempos de insegurança e instabilidade, as marcas que se destacam (de forma imediata e em um futuro próspero) são as que conseguem ganhar o imaginário do usuário transmitindo confiança e proximidade.

Então, ter estratégias de branding bem definidas pelo setor de marketing pode ser um divisor de águas para a sua marca durante e depois da crise.

Vendar na crise

Resultados

No marketing, sobretudo no marketing digital, que é o tipo de estratégia predominante atualmente, a mensuração de resultados por um profissional qualificado pode determinar o sucesso do seu negócio.

Com uma avaliação criteriosa é possível conhecer melhor seus públicos, o tipo de produto ou serviço que deve ser ofertado em determinado momento e, ao longo de campanha, é possível fazer ajustes de rota para alcançar o sucesso almejado com cada uma das ações pré-estruturadas.

Relacionamento com o cliente

Todo o relacionamento que você estabelece com o cliente é marketing: um email, um contato nas redes sociais, em uma ligação. Então, tenha atenção à forma como está gerindo esse relacionamento.

Conquistar um novo cliente pode ser até 7 vezes mais caro do que manter um que já conhece o seu produto. Trate-o bem para que se lembre da sua marca e das suas soluções antes de pensar em comprar da concorrência. Cative-o não apenas pelo preço, mas pela confiança e bom atendimento.

Em tempos de crise marketing é um investimento que pode salvar o seu negócio das contas no vermelho. Para começar não é preciso muito investimento, apenas criatividade e ter disposição para aprender e adequar os seus produtos à realidade de mercado constantemente.

Fale com a Mais Consultoria

Gestão de estoques de supermercados: 5 dicas para um controle eficiente

Padrão de qualidade de processos e atendimento, otimização de processos e redução de gastos e desperdícios em um supermercado passa por uma gestão de estoques eficiente. Então, se você quer melhorar os processos que envolvem os estoques de mercado, confira as cinco dicas que preparamos. Elas podem ser aplicadas em negócios de qualquer porte. Vamos lá?

#1 Cálculo eficiente para a boa experiência do cliente

A razão de existir de qualquer supermercado é fornecer o que seus clientes precisam no momento de fazer suas compras. Por isso, o principal ponto de atenção, com impacto direto na gestão de estoque, é o cálculo de saída dos produtos.

É a partir dele que se pode fazer uma escala viável e prática de reposição de produtos nas prateleiras, bem como para fazer os pedidos aos fornecedores. Assim, você garante que seu cliente sempre encontre o que precisa.

Atenção, aqui é preciso levar em consideração também o tempo que a transportadora leva para entregar cada produto. Ou seja, faça o cálculo de quanto deve ser o seu pedido para garantir que os produtos não se esgotem antes de uma nova remessa chegar.

Leia também: Gestão de estoque eficiente: impacto nos custos e lucro

Observação: perfil do consumidor

Em um supermercado os públicos consumidores podem ser de diferentes perfis. Por isso, durante a escolha da cartela de produtos pode ser interessante investir em variedade de marcas e preços para atrair e agradar todos os compradores do seu estabelecimento. Essa escolha de novos e diversificados itens pode ser feita a partir da observação dos hábitos de consumo dos seus clientes.

#2 Automação para gestão de estoques de supermercado

Outra questão que pode ajudar, e muito, em uma gestão de estoques de supermercado eficiente e otimizada é a utilização de tecnologia a seu favor. Atualmente são muitos softwares disponíveis com bom custo-benefício para tornar essa tarefa de organizar seus estoques mais fácil e rápida.

A partir dessas ferramentas de automação você consegue ter dimensão das saídas do estoque, fica sabendo quais produtos têm pouca saída ou quando está na hora de fazer novos pedidos. Além disso, esses softwares podem ser integrados ao sistema dos caixas e tornar tudo muito mais prático na sua rotina produtiva.

 

Ebook Gestão na Crise

#3 Prazos de validade

A cartela de produtos de um supermercado é majoritariamente composta por produtos perecíveis. Por isso, é muito importante gerenciar prazos de validade para evitar desperdícios de mercadoria e maiores problemas.

Quando uma nova remessa de produtos chegar, tenha a preocupação em colocar nas prateleiras primeiramente os itens remanescentes. Além disso, conte com ferramentas de gestão que notifiquem automaticamente ao departamento responsável pelas reposições sobre as datas de validade passadas para que o descarte correto seja feito.

Uma dica: quando você souber que os itens estão próximos da data de validade, pode criar promoções para liquidar os itens.

Fazendo os cálculos corretos de saída de produtos em pouco tempo você verá a economia e a redução de desperdícios por conta de prazos de validade.

#4 Balanço de mercadoria periódico

Quer uma visão ampla sobre os estoques de supermercado? Faça bimestralmente o balanço de mercadoria. A partir dele é possível entender os hábitos de consumo dos seus clientes, melhorar seus processos, avaliar o controle de estoque e implementar melhorias constantes.

#5 Condições de armazenamento

Por fim, a quinta dica para um controle de estoques de supermercado eficiente é a avaliação das condições de armazenamento dos seus produtos. Nada pior do que perder mercadoria por conta de um armazenamento indevido. Além de tamanho para comportar todos os itens necessários para a boa logística do mercado, esse espaço precisa respeitar condições de higiene e outras especificidades. Por exemplo, iogurtes, manteigas e carnes precisam de freezers e câmaras refrigeradas para a manutenção da qualidade dos produtos.

Cálculos precisos, nada de desperdício

Com os cálculos corretos de fluxo de estoque e precificação de produtos o seu supermercado vai crescer com as contas no verde e atendendo bem os clientes.

A Mais Consultoria é especialista em otimização de processos, controle de qualidade e proposição de estratégias para o bom funcionamento de empresas. Conta inclusive com case de sucesso de supermercados, conheça aqui o trabalho desenvolvido no Supermercado Pais e Filhos. 

Se precisa de ajuda com tudo isso para alavancar o seu supermercado, conte com os nossos serviços de consultoria.

 

Diagnóstico Gratuito

Inside Sales: o que é e como migrar para esse modelo de vendas?

Se o seu objetivo hoje é reduzir custos, a Inside Sales pode ser a estratégia que precisa para fazer isso e manter a sua equipe de vendas a todo vapor. Confira na leitura no que consiste esse modelo de vendas e como implantá-lo no seu negócio.

O que é Inside Sales?

O que é Inside Sales

Na tradução para o português: Vendas Internas. O método consiste em estruturar um sistema de vendas interno no seu negócio, sem a necessidade do vendedor gastar tempo e recursos fora da empresa para fechar um negócio. Mas, para isso é necessário dispor de uma infraestrutura e uma rede de conexão online com potenciais clientes. Para isso, podem ser usados: telefones, redes sociais, videoconferências, etc.

A principal vantagem da Inside Sales é contar com uma estrutura de vendas enxuta, de custos reduzidos e com um alto potencial de retorno sobre o investimento.

Online sim, personalizado também

Quando leu o conceito já ficou pensando em uma venda nos moldes do telemarketing tradicional, aquele que você já foi alvo diversas vezes? Pois não é bem isso.

Os consumidores estão cada dia mais exigentes e cientes de suas necessidades. Dessa forma, os produtos e a forma como a qual vendemos eles também devem se adaptar e melhorar. O objetivo é sim vender de dentro da empresa com custos reduzidos, mas sempre prezando pela qualidade, experiência do cliente e personalização. A tecnologia está aí para ajudar, softwares de CRM podem ser bem úteis durante a venda interna.

Você também pode querer ler: Prospecção de clientes: o que é e qual a sua importância?

Atenção: o que NÃO é Inside Sales

O que não é Inside Sales

  • Tentar vender para uma lista de contatos aleatórios.
  • Empurrar um produto sem que o cliente tenha necessidade daquilo;
  • Forçar o contato em horários inconvenientes;
  • Fazer o pitch de vendas de forma mecânica.

O que é Inside Sales

O que é Inside Sales

  • Ter um  perfil de cliente ideal. Ou seja, aquele que precisa de suas soluções e que será rentável para a empresa;
  • Funil de vendas delineado de acordo com a jornada do cliente;
  • Além disso, pensar nas abordagens corretas para cada situação, que vão demonstrar como o seu produto ou serviço é importante para a realidade do prospect;
  • Treinar sua força de venda;
  • Por fim, dominar técnicas de fechamento para encurtar o ciclo de vendas.

Adaptabilidade da Inside Sales

Sua empresa é B2B ou B2C? Quer vender para leads Inbound ou Outbound? É  pequena, média ou grande? Com Inside Sales todos vendem! Isso porque é um método comercial que realmente se adapta e é acessível para a realidade de qualquer negócio.

 

Ebook: Gestão financeira na crise

 

Colocando em prática

Uma operação de Inside Sales conta com as seguintes etapas: prospecção, abordagem, envio de oportunidades para o CRM e fechamento.

1- Prospecção:

Inside Sales

Novos clientes podem chegar até a sua Inside Sales por meio de Inbound Marketing (os leads chegam de forma orgânica pelo seu site, blog, material rico, etc) ou por Outbound Marketing (prospecção ativa, quando a sua empresa vai atrás de clientes). Algumas empresas fazem um mix desses dois processos.

Pré-vendas

Entre a prospecção e a apresentação de uma proposta formal algumas empresas contam com um time de pré-vendas. O que é ótima solução para negócios que precisam gerar um alto volume de leads qualificados. Sendo ideal para times de vendas que precisam de um rápido crescimento para que os vendedores estejam focados no fechamento dos negócios propriamente ditos.

2- Abordagem

Como mencionado, o contato não é estabelecido para que seu vendedor recite o pitch de forma monótona. É preciso que a ligação estabeleça uma conexão e que o seu vendedor passe a conhecer o potencial cliente para oferecer as melhores soluções para ele. Nesse sentido, existem diferentes opções de metodologia de vendas, e você pode combinar algumas ou todas elas.

Alguns exemplos:

  • BANT – Budget, Authority, Needs, and Timeline
  • SPIN – Situation, Problem, Implication, Need
  • GPCT – Goals, Plans, Challenges, Timeline

3- Envio de oportunidades

Com os leads devidamente qualificados e identificados, é hora de enviá-los para o CRM e começar a pós-prospecção. Para empresas SaaS é importante aqui disponibilizar uma demo, assim o prospect vai conhecer o seu produto e fechar negócio.

4- Fechamento

Em outros tipos de negócio, a próxima fase é a apresentação da proposta por um consultor. Vale destacar que só devemos chegar nessa etapa quando a negociação faz sentido para ambas as partes. Fechar negócios com quem não tem fit com a marca ou não precisa de suas soluções pode gerar prejuízos. Então, invista em uma relação duradoura, baseada na qualidade e confiança.

Hora de começar

Para colocar o Inside Sales em funcionamento na sua empresa você precisa de uma boa internet, profissionais treinados e alinhados com essa metodologia e softwares de Inbound Marketing e CRM.

 

Contato Mais Consultoria

 

 

 

Como vender em tempos de crise do coronavírus?

O momento de pandemia está intimamente ligado com a crise econômica em todo o mundo. Para os empreendedores brasileiros o desafio é ainda maior, mas com criatividade e estratégia é possível driblar o problema. Veja como vender em tempos de crise.

1º passo: avaliar o problema

Busque a raiz do problema. No seu negócio caiu o movimento? Por quê? Se o seu comércio é físico, certamente o rombo nas vendas está sendo grande. Então, avalie como está o seu fluxo de caixa hoje, coloque tudo na ponta do lápis e chegue em uma estimativa de cenário minimamente ideal para o seu negócio continuar com as contas em dia e em funcionamento.

A partir disso, vai poder pensar em saídas realistas com muito mais clareza. Entre as soluções a resposta óbvia e eficaz é a internet. Adapte suas vendas para o online, lance mão de site, redes sociais, televendas e Delivery.

2º passo: de que forma é possível adequar minhas soluções?

Não apenas a forma de consumo mudou em tempos de coronavírus, as necessidades do público hoje são outras, tendo em vista que toda a vida está sofrendo modificações. Então, se antes de tudo isso o seu produto se adequava muito bem ao que o mercado precisava, hoje pode ser que a realidade seja outra.

Vamos a um exemplo: atualmente no Brasil seis a cada dez pessoas estão trabalhando de home office. Esses são dados da pesquisa Hibou em parceria com a Indico. Isso significa que são menos trabalhadores utilizando transporte público, consumindo em restaurantes e, até mesmo, utilizando uniformes para ir ao trabalho, já que a peça pode facilmente ser substituída por roupas mais despojadas.

Dessa forma, uma empresa de uniformes precisa buscar outras parcelas de mercado para atender em tempos de quarentena. Quais mercados ela poderia conquistar?

O investimento dessa empresa pode ser na divulgação e produção de uniformes hospitalares e, por que não fazer máscaras em tecido para uso da população? Assim, continua a atender a parcela de mercado de trabalhadores essenciais, e contorna a crise financeira disponibilizando novas soluções dentro do seu segmento.

Banner para o e-book sobre gestão financeira na crise no artigo "como vender em tempos de crise do coronavírus?"

3º passo: Enxergar oportunidades de longo prazo

Adequar seus produtos e serviços para a nova situação é uma forma rentável de se manter competitivo. No entanto, sabemos que isso nem sempre é possível.

Muitas marcas estão apostando em uma estratégia diferente, pensada a longo prazo. Se hoje o seu produto não pode se adequar a situação de exceção, seja sincero com o seu consumidor e ofereça boas condições para ele manter a fidelidade a você. Veja só os exemplos:

Muitos bares e salões de beleza, que não tem condições de oferecer produtos e serviços via Delivery, estão criando vouchers para seus clientes. Assim, o consumidor se beneficia comprando antecipadamente com descontos e ainda contribui para a manutenção dos estabelecimentos durante o período em que estão fechados.

A “Quem disse, Berenice?“, marca de maquiagem e cosméticos, reforçou suas vendas online com o atrativo do frete grátis e cupom de desconto.

Além disso, os consumidores conseguem dizer qual loja são clientes cativos para que os vendedores do estabelecimento continuem ganhando a comissão, assim ajuda também as franquias.

Como vender em tempos de coronavírus? Print com exemplo da Quem disse, Berenice?

4º passo: Utilização da verba de forma inteligente

Por fim, o último passo de como vender em tempos de crise é fazer uma administração inteligente e assertiva da verba que dispõe hoje. Exemplo simples: se antes dispendia parte do seu investimento em marketing em panfletos, agora pode deslocar a quantia para anúncios online.

Pense nessa e em outras ações simples que pode fazer para otimizar resultados e corte gastos de forma estratégica, em algum momento essa situação vai passar. Então não se desespere, não tome atitudes precipitadas por medo. Com estratégia e um pouco de criatividade é possível driblar essa crise.

É justamente nos momentos de maior dificuldade que podem surgir ideias inovadoras e que dão muito certo.

Banner para solicitar proposta no artigo "Como vender em tempos de coronavírus?"

Qual a diferença entre custo e despesa?

Para montar o seu negócio e ver a cor do dinheiro nele é preciso muito estudo e estratégia. Você deve se preocupar com o planejamento estratégico, plano de negócios, entre tantos outros conceitos. Hoje, o que trazemos para você é a diferenciação entre custo e despesa. É a partir desses dois pontos que você consegue fazer os cálculos básicos para o seu negócio ter sucesso. Ao final da leitura você vai saber tudo o que precisa sobre a diferença entre custo e despesa.

Diferença entre custo e despesa

Custo

Define-se por custo de um negócio toda a quantia despendida para se ter o seu produto final. Ou seja, é todo o valor que é gasto com bens e serviços para a produção de outros bens e serviços que são a mercadoria da empresa.

Dessa forma, são os gastos absolutamente necessários, sem os quais não se tem o mais importante de um negócio:  seu produto, a moeda de troca para a geração de lucro.

Exemplos de custos:

  • Matéria-prima;
  • Mão de obra;
  • Manutenção;
  • Gastos com a fabricação;
  • Embalagens;
  • Energia elétrica;
  • Materiais de conservação e limpeza.

Banner no artigo "Qual a diferença entre custo e despesa?" para o e-book "Tempo de entrega"

Despesas

Já as despesas correspondem a quantia gasta com bens e serviços que servem a manutenção da atividade-fim de um negócio. Assim, são gastos necessários para a manutenção da empresa, mas que não tem impacto direto em seu produto-final.

Exemplos de despesas:

  • Aluguel do espaço físico do negócio;
  • Contas de água, luz e internet;
  • Materiais de escritório;
  • Gastos com estrutura;
  • Lanche fornecido para os funcionários.

Leia também: Custo direto e indireto: diferenças e como controlá-los em pequenas e médias empresas

Como diferenciar esses conceitos?

Ainda não conseguiu pegar a diferença entre custo e despesa? Associe desta forma: o gasto é mais geral, de difícil vinculação com o produto-final? Então ele é uma despesa, caso contrário, é um custo.

Na rotina do seu negócio, para identificar essas nuances, pode usar o seguinte exercício: pergunte-se se a eliminação de certo gasto afeta a sua produção. Se sim, é um custo, já que tem impacto direto no produto. Caso contrário, é uma despesa.

Gastos fixos e variáveis

Outra definição para custos e despesas é se eles são fixos ou variáveis. Os gastos fixos são aqueles que devem ser pagos periodicamente de forma invariável. Ou seja, a empresa vendendo mais ou menos, eles não variam. Assim, pode-se citar como um exemplo de custo fixo o valor da mão de obra profissional, já uma despesa fixa é o aluguel.

Por outro lado, os gastos variáveis são aqueles que podem oscilar de um mês para outro, dependendo do ritmo de produção da empresa. Por exemplo, um custo variável é a matéria-prima. Se o produto começa a ter pouca saída, e para de ser fabricado temporariamente, os materiais empregados em sua fabricação são cortados da lista de curtos. Já como exemplo de custo variável, pode ser ter uma campanha de marketing pontual para o público interno ou externo, que pode impactar nas despesas de um dado período de tempo.

Precisa de ajuda?

Agora você já sabe a diferença entre custo e despesa e pode calcular corretamente todas as suas despesas para o correto controle de fluxo de caixa. Mas, se precisa de ajuda pode contar com a consultoria personalizada da Mais Consultoria.

São quase duas décadas propondo soluções executáveis e com excelentes resultados para empresas de diversos segmentos. Entre em contato no banner abaixo e converse com um de nossos consultores.

Banner no artigo "Qual a diferença entre custo e despesa?" para o e-book "Gestão financeira"

 

Gestão de mudanças: por que ela é importante para sua empresa?

Seu negócio está preparado para atender as novas demandas de mercado? E para acompanhar as tecnologias? Tudo isso deve ser pensado e estruturado a longo prazo. Dessa forma, sua empresa não fica obsoleta e consegue fazer as transições necessárias para sobreviver às mudanças. É nesse sentido que surge a gestão de mudanças. 

O que é gestão de mudanças?

A gestão de mudanças é um conjunto estruturado de estratégias e ferramentas para guiar o trabalho humano em prol de resultados e objetivos que dependem de uma mudança organizacional.

Para isso, a gestão de mudanças trabalha com todos os níveis da organização. Desde os profissionais individualmente, até as equipes, gestores e alta diretoria.

Vale destacar que muitas organizações enxergam a gestão de mudanças como sinônimo de gestão de projetos ou gestão de pessoas. Mas, esse tipo de estratégia, na verdade, trabalha com pessoas para fazer uma transição com o objetivo final de gerar retorno sobre o investimento.

Guia Definitivo de Como Otimizar os Processos e Reduzir os Custos

Por que investir nela?

Mudar, dentro de uma empresa, é fazer algo diferente, com impacto na rotina produtiva, que merece uma atenção nessa transição para se chegar a bons resultados e, principalmente, sem prejuízos à produtividade e às equipes.

Dessa forma, a implementação de uma mudança mexe com algum ou alguns desses aspectos:

  • Sistemas;
  • Estrutura da organização;
  • Processos;
  • Funções e atividades da rotina de trabalho;
  • Comportamentos;
  • Mensurações;
  • Remuneração.

Para mexer com pessoas e processos dentro do seu negócio com uma transição tranquila e precisa, é necessário desenvolver um plano de ação, até que a novidade esteja estabelecida na rotina. Caso contrário, um grande investimento pode ser feito e nada mudar na forma de trabalho, por ausência de orientação e incentivo que faça sentido para os colaboradores.

Gestão de mudanças e sucesso

Você já sabe que o mercado competitivo exige cada vez mais adaptabilidade, seja de profissionais e empresas e de seus serviços e/ou produtos. Assim, a gestão de mudanças se torna uma necessidade para a garantia de sucesso e constância na evolução de um negócio.

O que realmente gera a mudança são as pessoas. Um novo software, um novo espaço, uma nova metodologia de trabalho… tudo isso só terá efeitos na sua organização a partir do momento no qual a sua equipe estiver pré-disposta a mudar as coisas como são feitas hoje.

Então, como fazer uma gestão de mudanças com os profissionais?

Gestão de mudanças com os profissionais: como fazer?

 

É natural que, quando surgem novidades na local de trabalho, as pessoas tenham resistência, medo e ansiedade. Afinal, precisam deixar a sua zona de conforto para enfrentar algo novo.

Então, para obter sucesso nas mudanças a serem implementadas é preciso entender o que cada profissional precisa ouvir para se sentir motivado a tentar o novo e, sobretudo, de quem ele deve ouvir isso. Por fim, também é preciso dedicar tempo para ensinar as novas formas de trabalhar para esses profissionais e desenvolver mecanismos que os façam realmente aderir às novidades em suas rotinas produtivas. 

Como implementar em toda a empresa

A partir da gestão de mudanças em um nível individual, cabe aos líderes e gestores de cada equipe guiar o grupo, conjuntamente, para atender com sucesso as novas demandas. Assim, essa figura, precisa transmitir confiança, esclarecendo dúvidas e agregar conhecimentos para que as novidades surtam o efeito esperado.

Vale destacar que a gestão de mudanças precisa de um setor dentro da sua empresa, assim como o RH ou o Marketing para que essas estruturações sejam bem pensadas e, até mesmo, para que as lideranças sejam devidamente treinadas para implantar essas melhorias.

Benefícios da gestão de mudanças

Empresas que investem na gestão de mudanças e abraçam as inovações mais rápido estão prontas para um mercado cada vez mais ágil, competitivo. Isso porque conseguem adotar novas tecnologias com menor dano à sua produção e rotina dos profissionais.

Gestão de mudanças: por que ela é importante para sua empresa? - Solicite orçamento

Empreendedorismo digital: o que é e como explorar essa possibilidade?

Devido às condições de trabalho e à crise econômica que o Brasil sente há alguns anos, empreender tem se tornado uma alternativa para muitas pessoas. Nesse sentido, o online se apresenta como uma solução para começar o próprio negócio com baixo custo de investimento. Mas, como começar? Descubra agora como é o empreendedorismo digital e o que é preciso fazer ter o próprio negócio online.

O que é empreendedorismo digital? 

Empreendedorismo digital: o que é?

O Empreendedorismo Digital trata-se da comercialização de produtos e serviços que tenham como base o ambiente digital. Muitas grandes marcas conhecidas no Brasil e no mundo adentraram os espaços online com venda de seus produtos. Mas, hoje é comum ver pequenos negócios surgindo dessa maneira, seja para comercialização de itens diversificados com entrega em casa ou conteúdos online, consumidos no próprio ambiente digital (infoproduto).

Leia também: Como empreender? 6 dicas para começar o seu próprio negócio

Vantagens do Empreendedorismo Digital 

Baixo custo

Empreendedorismo digital: vantagens

A principal vantagem do empreendedorismo digital, e que acaba sendo determinante para se optar por esse tipo de negócio, é o baixo custo de investimento.

Para abrir uma empresa física inicialmente você já precisa despender um bom dinheiro de aluguel, água, luz, internet, infraestrutura e contratação de funcionários. Além de outros encargos para a regularização de tudo.

No ambiente online é possível começar com a sua própria criatividade e força de vontade para construção de um site em plataforma gratuita, como o Wix. Além disso, você também precisa de um bom gerenciamento de redes sociais, que pode inicialmente ser feito também por conta própria.

Dessa forma, o dinheiro a ser investido em um negócio online, concentra-se realmente no produto ou serviço a ser vendido.  

Mercado

Outro ponto a favor do empreendedorismo digital é o vasto mercado do ambiente online. De acordo com a pesquisa NZN Intelligence, 82% dos consumidores brasileiros com acesso à internet já são adeptos das compras no ambiente digital. Desses, 74% preferem fazer as compras online ao invés de lojas físicas. 

Dessa forma, quando bem estruturado e com boas soluções para o seu público, um negócio online tem tudo para dar certo! Vale destacar que, para ser competitivo é preciso ter atenção a certos aspectos. Por exemplo: os consumidores levam muito em consideração a experiência de outros clientes. Para tomar a decisão de compra acessam sites como “Reclame aqui”.

Por isso, tenham sempre atenção para fazer um bom atendimento, bem como oferecer preços competitivos e outros atrativos que contribuam para a decisão de compra. 

Flexibilidade

Por fim, outra grande vantagem do empreendedorismo online é a flexibilidade. É possível fazer o seu próprio horário de trabalho e até mesmo conciliar com um trabalho formal.

Outra flexibilidade é quanto à localização. Você pode estar em qualquer lugar do Brasil ou do mundo e vender para diversificados mercados.

Primeiros passos para empreender no online 

#1 Modelo de negócio

Empreendedorismo digital: passo a passo

O primeiro passo para empreender, seja no on ou no offline, é pensar no seu modelo de negócio. Afinal, é isso que delineia todo o funcionamento de uma empresa. Ou seja, determina o produto ou serviço, método de produção, público-alvo e fontes de receita.

#2 Plano de negócios

Após pensar no modelo de negócios ideal para você é hora de partir para o desenvolvimento do plano de negócios.

Então, comece pensando no seu modelo de negócio, desde o produto em si, até o público-alvo e formas de fazer crescer o seu empreendimento. Se você não tem experiência sobre o assunto pode recorrer a livros, cursos e consultorias. Uma plataforma que pode te ajudar muito nesse e em outros momentos do Empreendedorismo Digital é o Sebrae.

#3 Estudo de mercado

De mãos dadas com os dois passos anteriores está o estudo de mercado. Como já dissemos, no online existem muitas possibilidades. Mas, também muitas pessoas, assim como você, tentando diariamente. Por isso, antes de começar o seu empreendimento tenha em mente qual ou quais são seus públicos-alvo.

Além disso, pondere se as soluções que oferece realmente são relevantes e vão cativar e ajudar o seu cliente. Pense no seu consumidor também para traçar as estratégias de comunicação para falar com ele.

Por fim, faça uma pesquisa sobre a concorrência (benchmarking) para criar métodos de diferenciação e se destacar em meio a outras opções similares a que você oferece.

#4 Estudo de redes sociais

Já deu para perceber que, por mais que seja “simples” empreender no online, é preciso tanto estudo quanto para lançar um empreendimento em espaço físico. Afinal, um negócio sólido e com capacidade de crescimento precisa de uma firme base, e de um empreendedor bem informado e persistente.

Dessa forma, a principal forma de divulgação de um empreendimento digital são as redes sociais. Faça um estudo dessas plataformas para saber em quais se inserir; pensar na estética da sua divulgação; horários de melhor performance; como patrocinar posts; etc. tudo que contribua para fazer a comunicação com o público de forma assertiva.

#5 Regularize-se

Por fim, o último ponto de atenção antes de partir para a prática é buscar formas de regularizar o seu empreendimento digital. Mas, não pense que isso será difícil e burocrático. O Sebrae pode orientar quais as melhores opções para o seu nicho de mercado. Normalmente, para um empreendedor que está começando tornar-se MEI (Microempreendedor Individual) pode ser uma solução barata e fácil para começar o negócio com tudo em ordem.

Possibilidades do Empreendedorismo Digital

Empreendedorismo digital: possibilidades

Agora você já sabe tudo sobre o mercado online e os passos para empreender no digital. Mas, afinal, quais são as possibilidade de negócios na internet? Aqui vamos te apresentar algumas opções. Vale destacar que existe uma infinidade e, quem sabe, você não tem uma ideia inédita para revolucionar o mercado? No online tudo é possível!

  • E-commerce

E-commerce é uma forma de vender produtos no online por meio de um site, que funciona como uma vitrine virtual. Ou, até mesmo, por meio das redes sociais. Hoje o Instagram já conta com funcionalidades que permitem ao vendedor colocar o preço dos produtos na própria postagem e efetivar a compra dentro da rede social, por exemplo.

Resumindo, o e-commerce é um comércio online que venda produtor físicos que chegam até a casa do comprador. Um grande exemplo desse modelo de negócio é a Amazon.

  • Infoproduto

Já o infoproduto são aqueles consumidos no próprio online. Assim, se você é especialista em algum assunto, pode gerar conteúdo de valor e comercializá-lo. Exemplos de infoprodutos são cursos online, ebooks, consultorias, etc.

  • SaaS

Por fim, o último modelo de negócio de empreendedorismo digital que apresentamos é o SaaS, Softwares as a Service. Que são assinaturas de uso com alguma solução tecnológica, como por exemplo, espaço de armazenamento em nuvem.

Pronto para no empreendedorismo digital? Bons estudos e mão na massa!

Banner para orçamento, no artigo "Empreendedorismo digital: o que é e como explorar essa possibilidade?"

Gestão de serviços de saúde: 5 dicas para um gerenciamento eficiente

Assim como toda empresa, os hospitais têm diversas atividades administrativas que devem ser muito bem estruturadas para atender todas as demandas da sua rotina produtiva. Assim, um gerenciamento eficiente contribui para a redução de custos, melhoramento de processos e humanização do atendimento. Para uma gestão de serviços de saúde eficaz, confira algumas dicas:

Dimensão de sua importância

O atendimento hospitalar, antes de tudo, deve ser humanizado, ágil e eficiente. Serviços de saúde lidam com pessoas em seus momentos mais frágeis e esse fato deve ser o grande norteador de todo o trabalho que envolve a instituição. Ou seja, inclusive a gestão.

Gestão de serviços de saúde eficiente

1- Padronização de tarefas

Gestão de Serviços de Saúde

O primeiro passo de uma gestão de serviços de saúde eficiente é a padronização das tarefas. Nesse sentido, a automação de processos é fundamental tendo em vista que o acesso rápido e facilitado dos profissionais da instituição aos prontuários e outros arquivos, que são determinantes para um atendimento eficiente.

É possível gerenciar todo o sistema por meio de nome de usuário e senha. Essa informatização é um passo fundamental para o aperfeiçoamento de processos.

2- Mapear processos

Uma eficiente gestão de serviços de saúde tem profundo conhecimento dos processos internos. Isso porque, é a partir da análise de cada serviço oferecido que é possível estabelecer bases de cálculos de demandas de materiais e outros insumos para garantir o correto abastecimento sem desperdícios ou sobras.

Vale destacar que, essa base de cálculos é importante para a otimização de processos, garantindo o que é preciso para um atendimento; qualidade e padronização na execução de tarefas e protocolos de atendimento aos pacientes, já mencionados no item 1.

Além disso, outro ponto que toca no conhecimento de processos é o cumprimento da legislação vigente. Com atenção aos prazos de tratamentos, modificações estruturais necessárias, pedido de novos equipamentos, etc.

Apenas com uma ampla visão das demandas é possível preparar o hospital e abastecê-lo adequadamente para oferta de um atendimento rápido e de qualidade.

3- Excelência

Outro ponto de atenção da gestão deve ser a qualidade dos serviços oferecidos, que vão muito além do contato direto no atendimento.

Um serviço de excelência demostra constante alinhamento e integração entre os setores. Mas, para alcançar isso, é importante ter metas e indicadores específicos. Esses devem ser voltados para cada área que envolve a cadeira produtiva da instituição. Inclusive para as equipes de liderança e gestão administrativa.

Aqui vale destacar também como é importante treinar a equipe. Tanto para utilização das tecnologias implantadas, quanto no atendimento humanizado ao paciente.

4- Materiais e equipamentos

Gestão de Serviços de Saúde

A garantia de materiais e equipamentos para suprir as demandas do hospital depende do estudo, como já mencionado, dos processos e também conhecimento de sazonalidade e tratamentos de cada paciente individualmente. Ter os registos em softwares de tudo isso facilita o trabalho da gestão e a torna mais precisa.

Aqui é preciso levar em consideração pedidos de materiais e equipamentos para abastecimento de toda a instituição, levando em consideração as demandas sazonais. Por exemplo, nas estações mais frias do ano a população é acometida por doenças respiratórias. Logo, o hospital precisa ter em maior quantidade os suprimentos necessários para fazer esse tipo de atendimento.

Além disso, quadros clínicos mais complexos podem demandar remédios e outros equipamentos complexos para manutenção da saúde e bem-estar do paciente. Por isso, cabe também a uma gestão de serviços de saúde levar isso em consideração na hora de fazer pedidos e distribuição de capital pelos setores.

5- Recursos

Gestão de serviços de saúde

Por fim, é imprescindível que a gestão de serviços de saúde leve em consideração os recursos financeiros disponíveis. Para isso, deve-se avaliar a fonte das entradas de capital, como repasses de financiamento do serviço público e de planos de saúde. Para assim, equilibrar os gastos com o capital disponível.

Gestão de serviços de saúde para um atendimento de destaque

Você viu quais são os cinco principais pontos de atenção para uma gestão de serviços de saúde eficiente não perca de vista que esse é o tipo de serviço que tem como base o atendimento rápido, eficiente e humanizado, feito para pessoas. Na hora de traçar metas, estratégias e novos planos, tenha sempre isso como o norte do seu gerenciamento.

Em tempos de crise, como manter o seu negócio? Confira 8 dicas

Tempos de crise, como o que o mundo vive hoje, afetam muitos aspectos da rotina produtiva. Já é hora de começar a pensar em como fica a economia em meio a pandemia do COVID-19. As pessoas em casa consomem menos, principalmente pelo medo do futuro incerto. Então, para preparar o seu negócio para momentos de crise, e sair dela fortalecido, temos algumas dicas preciosas, confira:

1- Renegocie com fornecedores

Funcionários olhando insumos da empresa, representando a dica "Renegocie com seus fornecedores em tempos de crise"

O primeiro ponto de atenção são as contas que você já contraiu. Veja com os fornecedores maneiras de pagar essas dívidas de forma mais suave, com prestações mais elásticas. Para assim garantir que vai conseguir produzir com os materiais comprados e quitar todas as contas sem prejuízos maiores para o negócio.

2-  Otimize espaços ou procure uma nova localização

Uma forma de reduzir os custos nesse momento também é usando a criatividade. Seja para otimizar os espaços já existentes ou, até mesmo, pensar em uma nova localização com um aluguel mais em conta. Afinal, o corte de gastos é uma medida necessária para superar uma crise.

3- Invista em marketing

Funcionário colando post-it com estratégias, representando a dica "Invista em marketing em tempos de crise"

No momento o seu e todos os públicos consumidores estão em casa. O que mais fazem nesse momento? Utilizam a internet e as redes sociais. Se hoje o seu cliente passa muitas horas rolando o feed do Instagram é hora de você estar por lá e se posicionar, criar relacionamento para não ser esquecido. Então, ao invés de cortar aqui, pense em investir em marketing que você terá o retorno disso.

4- Otimize processos

A dica mais valiosa que você encontra aqui é essa. Com a otimização de processos você consegue produzir gastando menos. Por meio dela podem ser revistas as rotinas produtivas para enxergar gargalos e pontos de melhorias e, a partir disso, implementar soluções de fácil execução.

Então, esse é o momento de também investir em um serviço assim, que garanta melhores resultados para o seu negócio em um momento que desperdícios de tempo, dinheiro e matéria-prima não podem ocorrer.

Converse com nossos consultores e conheça o serviço de Otimização de processos. 

5- Em tempos de crise, crie relacionamento e agregue valor

Aproveite esse momento para criar um vínculo com o cliente. Assim ele se lembrará do seu valor na crise, e também após ela. Para um momento de crise causado pela pandemia esse relacionamento se fortalece no online. Produza conteúdo informativo, que agregue valor, ao invés de lançar apenas conteúdo panfletário estritamente relacionado às vendas.

Em caso de crise apenas econômica, em que sair de casa não é um problema, um empreendimento pode lançar mão de eventos presenciais para atrair a atenção do público. Essa também é uma forma eficaz de cativá-lo.

Banner para guia de otimização de processos no artigo "Tempos de crise: como manter o seu negócio"

6- Repense prazos e preços

Assim como na nossa primeira dica falamos para você pedir renegociação com seus fornecedores, pense em fazer o mesmo para os seus clientes. Tempos de crise afetam a todos. Assim, é o momento de ser mais flexível para garantir a continuidade do relacionalmente a quitação das contas, mesmo que a longo prazo. Dê prazos mais elásticos e melhore as condições que forem possíveis.

Um outro recurso interessante pode ser recompensar aqueles que pagam adiantados ou em dia, com descontos, por exemplo.

7- Não faça negócios arriscados

Aquele novo equipamento que pretendia comprar ou um lançamento de produto de despenderia muito investimento, esse não é o melhor momento. Direcione seus esforços e recursos para manter o seu negócio em pleno funcionamento com o que se tem hoje. Deixe esses projetos grandiosos para um outro momento.

8- Não se desespere

Por fim, a principal maneira de superar as adversidades é não se desesperar. Tome as decisões na sua empresa com calma e cautela, faça previsões de cenários positivos, negativos e muito negativos para embasar suas escolhas.

Precisando de ajuda em tempos de crise?

Tempos de crise podem ser realmente assustadores. A manutenção do negócio nessas adversidades é um grande desafio, mas, ao final, você e sua empresa sairão fortalecidos e com muitos aprendizados. Mas, se precisa de ajuda especializada para passar por isso de uma forma mais tranquila, conte com a Mais Consultoria. Estamos prontos para te ajudar com soluções inteligentes e de fácil execução.

Banner para solicitar proposta da Mais Consultoria