teste

5 razões para contratar uma consultoria empresarial

A gestão de uma empresa envolve muitos setores. Desde a tomada de decisão até o controle de estoque devem ser analisados constantemente. Isso porque é a forma de garantir o funcionamento pleno de toda a rotina produtiva. A consultoria empresarial é o tipo de serviço prestado que contribui com a análise e implementação de melhorias na gestão para potencializar o negócio e fazê-lo crescer. Muitos gestores não estão familiarizados com esse tipo de serviço e, por isso, são relutantes à implementação desse tipo de ajuda. Por isso, apresentamos 5 boas razões para você contratar uma consultoria empresarial 

1- Conquistar os objetivos de forma rápida

Uma consultoria empresarial tem todo o know-how para chegar as objetivos almejados em menos tempo. Como a máxima indica: “tempo é dinheiro”. Em uma empresa a execução de projetos e alcance de metas, em menor tempo é sinônimo de lucratividade.   

2- Produtividade

O trabalho de consultoria empresarial impacta na logística da empresa e organização de todos os setores. Com a utilização de metodologias ágeis, por exemplo, é possível se chegar ao máximo aproveitamento. A economia de tempo e recursos eleva a produtividade do negócio. 

Além de melhorar os setores já em funcionamento na empresa, também cabe a consultoria empresarial assessorar o setor de Recursos Humanos para melhorar os processos de contratação. Visto que o quadro de funcionário tem impacto direto na produtividade da empresa. 

Reduza custos

3- Finanças

O controle de caixa, cálculo de valores de produtos e serviços e tudo mais que envolve a questão financeira são feitos com minúcia por aqueles que são especialistas nisso, os profissionais da consultoria empresarial. Além de fazer os pagamento em dia e saber quanto entra em caixa, é essencial ter dados precisos de quais setores rendem mais para o seu negócio para uma precificação exata. Esse trabalho também é importante para direcionar parte do capital para fazer novos investimentos em melhorias de estruturas e processos dos setores da empresa. 

4- Analisar o negócio e implementar processos estratégicos

De forma geral o serviço de consultoria empresarial visa identificar problemas nos negócios e propor soluções para os mesmos. Dessa forma, a “visão de fora” é importante para fazer essa análise objetiva de todos os setores. A opinião de colaboradores e gestores é importante. Mas apenas um profissional de fora, com um olhar treinado, mas com o distanciamento necessário, é capaz de identificar grande e pequenos gargalos que podem impedir o negócio de crescer. 

A partir das fraquezas identificadas é necessário fazer um estudo detalhado para pensar em estratégias práticas para proporcionar a melhoria do negócio. Dentre as ações estão estudo de mercado, capacitação de funcionários, implementação de novos processos. Esses e outros aspectos devem ser delineados por um especialista. 

5- Suporte para a gestão 

Quando algo não vai bem na empresa o gestor tanta implantar soluções. Se elas não geram resultados, toda a equipe é impactada pela falta de confiança que se instala. Nesse sentido as estratégias e métodos trazidos por uma consultoria fazem a diferença. 

Essas melhorias também pode ser sentida em relação ao mercado. Com a ajuda especializada é possível entender as tendências de mercado e até antecipar problemas que poderiam impactar a empresa. Dessa forma, é possível contribuir também nas esferas de tomada de decisão para a melhoria do negócio. 

Consultoria empresarial com a Mais Consultoria

Agora que você já sabe como uma consultoria empresarial pode impactar nos resultados do seu negócios pensa em contratar uma? Conheça a Mais Consultoria. Há 16 anos no mercado a empresa já contribuiu com soluções inteligentes para inúmeros clientes, com mais de 200 cases de sucesso. A Mais propõe soluções nos setores de Gerência da Produção, Gerência Financeira, Estratégia, Organização e Qualidade.

Fale com um consultor

Como administrar uma empresa: guia para iniciantes

O número de empreendedores no Brasil cresce a cada dia. Só no primeiro trimestre deste ano houve um aumento de abertura empresas de 17,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Dessas, cerca de 80% corresponde a negócios de MEIs (microempreendedores individuais). São os dados da pesquisa da Boa Vista baseada no levantamento da Receita Federal. Se você é um dos novos empreendedores do país veja os 5 principais tópicos sobre como administrar uma empresa.

1 Estude e preveja

Como administrar uma empresa

A primeira dica para administrar um negócio, independentemente de seu tamanho, é o estudo de mercado e conjuntura. É muito importante oferecer um bom serviço, ter uma boa comunicação e outros desses tópicos que serão falados adiante. Mas, sobretudo, é essencial não ser surpreendido por mudanças no mercado ou problemas internos.

Muitos imprevistos podem acontecer, desde um funcionário ficar doente, até a inflação econômica afetar todo o Brasil. Dessa forma, o segredo para não ter prejuízos ou mesmo quebrar nessas situações adversas é ter um bom planejamento.

Bons resultados são fruto de atitudes preventivas nessas situações. Sabemos que não é possível prever os problemas, mas o que define o futuro da empresa é a forma como o gestor se posiciona e se desvencilha dos imprevistos.

2 Finanças: parte fundamental sobre como administrar uma empresa

Todo negócio precisa de um rigoroso controle de fluxo de caixa. É a partir de seus indicadores que é possível precificar produtos e serviços de forma adequada. Além disso, com o controle do caixa faz-se uma contabilidade precisa de pagamentos de fornecedores e colaboradores e analisa-se o que tem sido mais lucrativo para o negócio, entre tantos outros aspectos.

A longo prazo, um bom controle financeiro possibilita o investimentos para otimização de processos.  Por exemplo, com a aquisição de maquinário, ferramentas e implementação de novos produtos e serviços.

Como administrar uma empresa

3 Comunicação e marketing

A comunicação interna do negócio é importante para que todos os colaboradores entendam as decisões e diretrizes da empresa. Dessa forma, os profissionais de sentem integrados ao ambiente de trabalho e valorizados. Além disso, uma comunicação interna bem estruturada evita mal entendidos e contribui para a melhoria constante de processos e entregas.

Já o plano de marketing é o responsável por ditar as ações e posicionamentos da marca frente ao mercado. É também essa parte do negócio que faz os estudos de tendências do setor o para antecipar as novidades na empresa e mantê-la competitiva. A captação de novos clientes por meio da definição de perfil, públicos-alvo e publicidade direcionadas também fica a cargo do marketing. Se a gestão financeira é fundamental para as contas fecharem no fim do mês, o marketing é essencial para trazer novos clientes e não deixar a marca estagnar em relação à concorrência. 

4 Produtividade e processos

A produtividade está relacionada com fazer mais em menos tempo e gastando menos recursos. Para isso, a parte de tecnologia e técnica precisam estar em constante atualização e manutenção. Mas, sobretudo o investimento em um ambiente agradável para os colaboradores é parte essencial da produtividade. Isso porque uma empresa é feita por pessoas, a satisfação do público interno faz com que todo o time trabalhe engajado em prol dos objetivos do negócio. Ou seja, tenha atenção não apenas na tecnologia, mas nas pessoa que trabalham com você. 

Além disso, todos os processos do negócio precisam estar integrados para não haver ruídos na comunicação e garantir que todos os produtos e serviços sejam entregues com rapidez e excelência. Por exemplo, quando o comercial faz uma venda o financeiro e o setor de estoque precisa estar cientes disso para agilizar os demais procedimentos que envolvem essa transação. Dessa forma, por menor que seja a sua empresa, invista na integração de processos e em uma comunicação interna eficiente. 

5 Consultoria especializada

Para implantar e otimizar todos os processos mencionados anteriormente você deve  pensar em investir uma consultoria especializada. A Mais Consultoria atua em Juiz de Fora e região do entorno há 16 anos. A empresa oferece soluções inteligentes e ágeis para melhorar as entregas da empresa. Para isso faz um estudo detalhado dos processos para identificar gargalos e implantar estratégias que impactam os negócios e seus resultados.

Fale com um consultor

Diagnóstico empresarial: entenda a sua importância e saiba como fazer

Conhecer o desempenho da sua empresa, entender potencialidades e fraquezas é essencial para elaborar as estratégias para o mercado de atuação e ter destaque no setor. Nesse sentido, o diagnóstico empresarial pode ser o termômetro que falta no seu negócio.

O que é o diagnóstico empresarial?

É uma avaliação minuciosa de cada processo interno. O mecanismo mede desde o controle de estoque e toda a logística da empresa, o pós-venda, gastos, estratégias de comunicação e marketing e todos os outros aspectos da sua cadeia produtiva.

A partir desses indicadores é possível traçar quais são as ações que podem ser empregadas para otimizar cada um dos processos. Além de ajudar a entender a real situação financeira da empresa.

Você também pode querer ler: Custo direto e indireto: diferenças e como controlá-las em pequenas e médias empresas.  

Como fazer?

A realização de um diagnóstico empresarial se dá por meio de avaliações de caráter objetivo. Uma das metodologias que podem contribuir com esse processo é Análise Swot, no Brasil a metodologia é conhecida como “FOFA”. A análise ajuda a entender as forças, ameaças, fraquezas e oportunidades da empresa.

Nessa metodologia, além da situação da empresa em relação a si própria – em comparação com outros momentos do negócio – é possível fazer um comparativo com a concorrência e entender o mercado.

Análise Swot

Além da metodologia, outros aspectos merecem atenção. O controle de caixa é o principal deles. A partir dos registro do que entra e sai é possível traçar os produtos ou serviços que geram maior lucratividade e os gastos desnecessários que impedem o crescimento do negócio.

Outros aspectos a serem observados no diagnóstico empresarial

  • Os setores de logística.
  • Custos e processos de produção.
  • Setores de marketing e comunicação, estratégias traçadas e ferramentas em uso.
  • Recrutamento, seleção e treinamento de profissionais.
  • Estratégias de curto, médio e longo prazo.

Por que aplicar nas micro e pequenas empresas?

Se o seu negócio está em estágio inicial o diagnóstico empresarial pode ser uma excelente estratégia. Com ele você passa a ter domínio sobre todas as etapas e processos da empresa. Dessa forma, começa o empreendimento da forma certa.

Isso porque muitas vezes o dono da empresa, por não entender cada parte do seu negócio, acaba por direcionar a verba para as áreas que acredita serem as necessárias. Mas, nem sempre essa lógica está correta. A partir dos parâmetros de avaliação de um bom diagnóstico é possível ter essas necessidades e prioridades de forma mais nítida.

Assim, com o auxílio do diagnóstico empresarial você consegue traçar estratégias para atingir o crescimento que deseja para o negócio.

Olhar de fora

A autocrítica é essencial para a realização do diagnóstico empresarial. No entanto, um olhar externo pode ser um grande diferencial. Assim, com a ajuda profissional é possível identificar pequenos detalhes que podem estar atrapalhando o desenvolvimento da empresa. Por isso, a contratação de um serviço de consultoria para a realização do processo pode trazer muitos benefícios e soluções inovadoras para a resolução de antigos problemas.

A Mais Consultoria pode te ajudar

A ajuda profissional que o seu negócio precisa para a realização do diagnóstico empresarial está na Mais Consultoria. Isso porque a empresa está em atuação há 16 anos e já impactou mais de 200 empresas. A Mais propõe soluções nos setores de Gerência da Produção, Gerência Financeira, Estratégia, Organização e Qualidade.Fale com um consultor

Como a automação de processos pode ajudar uma empresa?

Assim como o computador chegou para facilitar o trabalho na parte contábil da empresa, com planilhas e cálculos complexos, sendo esta já uma etapa de automatização de processos, outras formas de tecnologia podem integrar a produção do seu negócio. Dessa forma, é possível torná-lo mais eficiente.

A automação de processos consiste na substituição de trabalhos manuais pela utilização de softwares. Seu impacto é a otimização dos processos com redução nos custos de produção e entregas com alta qualidade. Acompanhe o texto e saiba como a automação de processos pode impactar o seu negócio.

Como iniciar a automação de processos?

É preciso priorizar uma área da empresa para receber o investimento em maquinário e programas para automatizar as etapas de produção. Para escolher por onde começar faça uma análise detalhada de cada área existente dentro do seu negócio. Avalie quais já fazem uso de automação e pense naquela em que o trabalho majoritariamente manual, se fosse automatizado, poderia trazer benefício para o seu cliente.

O foco para a automatização, em um primeiro momento, deve ser voltado para o consumidor final. Isso porque é um investimento, que em alguns casos pode ser bem alto. Fazendo o direcionamento dessa forma é possível incrementar as vendas, consequentemente a lucratividade. Assim, com o retorno financeiro, você pode implantar as inovações também nos outros setores da sua empresa.

Automação de processos

Vantagens

Tirar a sua empresa do lugar comum e apresentar a inovação é a melhor forma de destacar a sua marca diante do mercado competitivo. Mas, além do reconhecimento dentro do seu ramo de atuação, a automação de processos melhora os seus resultados como um todo. Na medida em que produz de forma mais ágil e eficiente e satisfaz a sua cartela de clientes.

Por isso, a automação deve ser fazer presente em diversas áreas da empresa, para otimizar toda a sua cadeia produtiva, desde a parte burocrática até a de logística.

Automação de processos

Dessa forma, é possível impactar a parte de maquinário, dados, armazenamento e utilização de informações e outros tantos recursos. Sendo assim, além do incremento nos lucros, outro grande benefício é a diminuição do desgaste dos seus trabalhadores. Estes podem concentrar os esforços e o conhecimento em áreas em que a inteligência e habilidade humana tem destaque. Ao invés de “perder tempo” em trabalhos facilmente realizados por computadores e outras máquinas.

Sustentabilidade

Dentre os benefícios da automação de processos, um dos que merece destaque, devido a atual conjuntura, é a sustentabilidade. Com a otimização possibilitada por meio da tecnologia é garantida a eficiência. Aqui, pode ser entendida como a redução do desperdício de recursos. E não é apenas isso, a automação contribui na questão da sustentabilidade ao passo que incrementa a produção (fazer mais, gastando menos).

Pode parecer irrisório, mas a diminuição de problemas e erros nas etapas tem grande impacto na economia de recursos e sustentabilidade de um negócio.

Se contar que, por meio da tecnologia é possível ainda reduzir as emissões de poluentes, sobretudo em grandes indústrias.

Quando investir?

A automação pode começar com a implementação de algumas facilidades na sua rotina. Um bom exemplo são os softwares simples para a organização de planilhas e processos. Nesses caso, o custo do investimento é reduzido e a melhora garantida.

Em casos em que a otimização necessita de investimentos mais altos, como maquinário pesado, é preciso pensar no momento certo do negócio para fazer essa aquisição. Se a sua empresa não dispõe de capital no momento, uma solução é pensar em um planejamento financeiro. Ele deve incluir cortes de gastos para prospectar a ferramenta de automação nos próximos meses.

Vamos fazer a automação do seu negócio?

Que tal receber uma ajuda para fazer todo o planejamento e implantar a automação de processos na sua empresa?  A Mais Consultoria atua há 16 anos contribuindo para a melhora de serviços e processos de empresas de Juiz de Fora e região do entrono. Fale com um de nossos consultores clicando aqui.

Fale com um consultor

Custo direto e indireto: diferenças e como controlá-los em pequenas e médias empresas

Para precificar produtos e serviços é preciso saber os valores gastos para toda a produção e funcionamento da empresa. Dessa forma, é possível calcular corretamente a margem de lucro e manter o negócio em pleno funcionamento. Entenda agora o que é custo direto e indireto e a importância do controle sobre esses valores.

O que é custo direto e indireto? 

O custo direto são os gastos associados à fabricação do produto vendido ou da mão de obra, no caso de prestação de serviços.

Por exemplo, se a sua empresa vende doce de leite, seus custos diretos são: a matéria-prima, como o leite; o plástico para as embalagens do produto; e assim por diante. Mas, se o seu negócio vende serviços, como manutenção predial, o seu custo direto é a mão de obra dos profissionais da equipe e todos os encargos relacionados à previdência social dos mesmos.

Resumindo, tudo que seja objetivamente ligado à entrega final do seu produto e/ou serviço é considerado um custo direto.

Gestão de produção

Já os custos indiretos são necessários para o pleno funcionamento da cadeia produtiva, mas não diretamente relacionado ao produto final. Por não serem diretos, é preciso fazer uma matemática detalhada para estabelecer critérios de rateio e alocar esses custos na hora de precificar o produto final do seu negócio.

São exemplos de custo indireto a energia elétrica usada para o funcionamento das máquinas, setores da empresa como parte administrativa e, no caso dos serviços, peças e maquinário necessário para executar o trabalho etc.

Rateio de custos

O rateio de custos é feito pelo setor contábil da empresa. Com ele é possível conhecer detalhadamente quanto cada setor da empresa gasta proporcionalmente do montante de gastos. Veja as duas principais formas de cálculo de rateio.

  • Por faturamento: esse tipo de rateio leva em consideração a rentabilidade de cada produto e/ou serviço no faturamento mensal do negócio.
  • Por custo indireto: aqui aplicá-se o valor dos custos indiretos sobre cada produto.

Importância de diferenciar esses custos nas pequenas e médias empresas

Uma gestão financeira eficiente e o crescimento do negócio depende da precificação correta desses custos. Isso porque entender os gastos e tê-los estabelecidos de forma rigorosa ajuda a entender os processos da empresa. Assim, é possível incrementar estratégias que contribuam para o maior aproveitamento e melhores resultados no negócio.

Algumas vantagens de diferenciar esses custos:

Custo direto e indireto

  • Planejar os próximos passos da empresa.
  • Precificação de forma mais precisa.
  • Enxergar oportunidades de diminuir os custos.

Precisa de ajuda?

Agora que você já entendeu a diferença entre custo direto e indireto que tal uma assessoria na hora de calcular esses valores? A Mais Consultoria atua na cidade de Juiz de Fora e região do entorno com o objetivo de realizar projetos que geram redução de custos, aumento de produtividade e aumento de vendas para seus clientes. 

A empresa já entregou mais de 200 projetos de sucesso, contribuindo para a melhoria dos processos das empresas atendidas. Entre em contato no banner abaixo e faça uma avaliação com um dos consultores.

Fale com um consultor

Empresa Familiar: dicas e cuidados necessários para uma boa gestão

No Brasil, 52% das micro e pequenas empresas são familiares. (Pesquisa Sebrae 2017)

O pilar das empresas familiares é ter como colaboradores os próprios membros do grupo familiar. Essa característica pode ser positiva, pela questão de ter pessoas de confiança trabalhando na equipe e com um forte vínculo emocional com o projeto. Este aspecto também pode ter seu lado negativo. Entre os malefícios, estão:

– Ter as decisões baseadas pelas emoções.
– Mistura de finanças da empresa com a da família.
– Profissionais com pouca capacitação.

Veja agora as dicas e cuidados necessários para gerir sua empresa familiar.

Processos de padronização com profissionais qualificados

As empresas familiares normalmente são fundadas com poucos recursos e, por isso, seu membros desempenham muitas funções ao mesmo tempo. No entanto, quando o negócio começa a crescer é preciso ter como prioridade a contratação de mão de obra qualificada para exercer cada função. Marketing, RH, gestão e tantos outros ramos que não podem ficar defasados com o aumento da relevância da marca no mercado.

Além disso, é nesse ponto que os familiares, sobretudo os que ocupam cargos de chefia, precisam começar a alinhar a forma de gestão e perspectivas futuras. Um negócio familiar tem muitas chances de dar errado devido a brigas internas.

Fala com um consultor

Crescimento profissional e direitos trabalhistas

A empresa familiar conta com profissionais que são do próprio grupo familiar e isso pode ter duas consequências ruins. Há os casos em que a empresa não segue a risca as leis trabalhistas, faz tudo de “improviso”.  O que é muito prejudicial para o trabalhador e seus direitos junto à Previdência Social, como férias e aposentadoria.  Mesmo nos pequenos negócios é importante que tudo seja feito dentro das normas e leis vigentes no país. Assim evita-se problemas para a empresa e prejuízos para os colaboradores.

Também é preciso ter em mente que os membros do grupo familiar precisam se capacitar tanto quanto ou até mais que os demais colaboradores. A perspectiva de “já ter a vaga garantida” pode ser sinônimo de estagnação na busca por conhecimentos e melhora na entrega de resultados dentro da empresa. Ou seja, é importante motivar todos os colaboradores, do grupo familiar ou não, para crescer dentro da empresa, buscar especializações e capacitações. A empresa pode motivas os profissionais com a oferta de cursos e workshops, incentivos financeiros e flexibilização de horas para que os colaboradores se dediquem as estudos.

Sucessão em empresa familiar

O momento de mudar a chefia é um quesito nas empresas familiares que pode ser muito bem aproveitado.  As gerações mais novas assumindo a empresa familiar podem trazer novas ideias. Além de implementar conhecimentos e técnicas modernas para fazer a marca crescer.

No entanto, para que essa sucessão seja estabelecida com sucesso é importante estruturar um plano de sucessão. E ainda, ter em mente que o jovem pode ter outras aptidões e não ter vontade e interesse de gerir o negócio da família. Por isso, é essencial estruturar desde sempre esse futuro da gestão da organização. No Brasil, de acordo com a última pesquisa realizada pela PwC (2016), apenas 19% das empresas familiares do Brasil tinham plano de sucessão.

Pra que serve plano de sucessão?

  • Manter o pleno funcionamento da empresa e fazer uma transição tranquila para os demais colaboradores, investidores e mercado.
  • Transparência do processo.
  • Ter profissionais cada vez mais capacitados para assumir os devidos cargos.
  • Metas a curto, médio e longo prazo.


Financiamento para as empresas familiares

Para expandir o negócio é preciso investimento de capital. Nas empresas familiares, muitos optam por por utilizar o próprio dinheiro para estimular o crescimento da empresa. Dessa forma, não dependem de financiamento dos banco e investidores. No entanto, esse é um grande risco. Se algo der errado com a empresa, toda a família fica desamparada. O ideal é que se atinja um equilíbrio entre o investimento próprio e o feito por terceiros. E dessa forma, manter um  nível de crescimento seguro para o negócio.

Leia também: 5 dicas de controle financeiro para pequenas empresas

Precisa de ajuda com a gestão dos processo da sua empresa familiar? Entre em contato com os nossos consultores. Os projetos da Mais Consultoria abordam as áreas de Gerência da Produção, Gerência Financeira, Estratégia e Organização e Qualidade, contribuindo com soluções inteligentes para negócios.  Entre em contato aqui.

 

Investir em franquia vale a pena?

O setor de franquias no Brasil é um dos que mais cresce. Inclusive, supera o avanço do PIB nacional, que teve um crescimento de 0,4% no 2° trimestre de 2019. Mas, isso é suficiente para querer investir em um negócio como este? Acompanhe o texto para saber se investir em franquia vale a pena ou não.

Panorama do último trimestre

De acordo com a pesquisa da Associação Brasileira de Franchising do 2º semestre de 2019, o setor de franquias teve um aumento de 5,9% no faturamento se comparado com o mesmo período do ano passado. Abaixo é possível acompanhar os dados por segmento.  Há destaque para os setores de “Serviços e outros negócios” (8,9%) e “Serviços educacionais” (8,7%).

Investir em Franquia vale a pena? Tabela do Faturamento de Franquias no 2º trimestre de 2019

Imagem retirada da pesquisa da Associação Brasileira de Franchising

O setor ainda teve um crescimento de 10% na geração de empregos diretos, ainda de acordo com a pesquisa da ABF. Ou seja, mesmo com os problemas econômicos enfrentados pelo Brasil atualmente, investir em franquia vale a pena: elas se mostram como um segmento aquecido e promissor.

Como investir em franquia?

Se os números fora animadores para você, saiba agora todo o procedimento para investir em franquia.

Para você ter o direito de usar o nome da marca franqueada e todo o seu know-how é preciso pagar uma série de encargos. Algumas das taxas incluídas são:

  • Taxa de franquia: pagamento único para ter o direito de usar o nome da marca.
  • Royalties: valor mensal sobre o faturamento.
  • Propaganda: porcentagem para contribuir com o marketing da marca.
  • Serviços e sistemas: valor pago para garantia de imprevistos e manutenções gerais.

Apesar das taxas, investir em franquia vale a pena pois o principal benefício neste modelo de negócio é que a fórmula do sucesso já está pronta. Tendo em vista que a marca já deu certo e o plano de negócio já está estruturado. Além disso, são oferecidos treinamentos e cursos específicos para manter o padrão de qualidade geral da empresa e divididos outros custos, como o de maquinário, com os demais franqueados. E, o melhor de tudo, a marca já tem credibilidade no mercado.

Investir em Franquia vale a pena? Banner para receber proposta

Para refletir

Apesar de todos os pontos positivos apresentados anteriormente, é preciso pensar ainda nas limitações impostas pela compra de uma franquia. A localização é determinada pelo franqueador e os produtos oferecidos são limitados aos que a marca oferece. Além disso, toda a logística, processos e decisões são feitas pela franquia e devem ser acatadas por todos os franqueados.

E, apesar do modelo de negócio estruturado, não existe a real garantia de que a sua unidade terá sucesso efetivamente.  Sabendo disso, se deseja investir no modelo de negócios, veja como escolher a marca para adquirir a franquia.

Investir em franquia: qual escolher?

Investir em Franquia vale a pena? Qual escolher?

Na hora de escolher a marca que deseja comprar é preciso ter em mente que não basta ter afinidade com ela enquanto consumidor. Avalie se há fit entre o que você deseja enquanto empreendedor e o que a marca se propõe a vender. Além disso, é preciso levar em consideração o capital que você tem disponível. Esse ponto já irá contribuir para descobrir o que é viável ser feito, em termos financeiros.

Precisa de uma consultoria empresarial especializada para gerir o seu negócio e que sabe como investir em franquias? Fale com a Mais Consultoria. São 16 anos contribuindo com soluções inteligentes para negócios, desenvolvendo projetos que abordam as áreas de Gerência da Produção, Gerência Financeira, Estratégia e Organização e Qualidade. Entre em contato pelo nosso formulário.

Gestão de produção

Prospecção de clientes: o que é e qual a sua importância?

Competitividade e sobrevivência no mercado: a prospecção de clientes está diretamente ligada a esses dois pontos. Qualquer que seja o ramo do negócio é fundamental ter esse processo bem estruturado para manter a empresa em funcionamento e sempre com novos projetos. Mais do que efetivar vendas, a prospecção de clientes tem se tornado um processo cada vez mais inteligente para que a relação com os públicos atendidos seja sólida.

Mas, afinal, o que é prospectar?

Procurar (jazidas minerais ou petrolíferas) em um terreno.

Esse termo foi cunhado para referenciar à busca por metais preciosos e hoje está emprestado para o setor comercial. Nas empresas, a prospecção de clientes consiste não apenas na tentativa de efetivar novas vendas. Mas, sobretudo, desenvolver um processo estruturado de captação de pessoas ou empresas que tenham fit com o que sua marca se propõe a vender.

Prospecção de Clientes

Prospecção Ativa

A Prospecção Ativa já é velha conhecida de todos. A venda de porta em porta, propagandas na mídia tradicional e até anúcios nas redes sociais são consideradas formas de prospecção ativa. Neste modelo, o cliente é surpreendido pela oferta do produto ou serviço. As vezes mal vista pelos públicos, a tática poderia ser exaustiva, ineficiente e onerosa nos moldes antigos de atração de vendas.

No entanto, prezando pela segmentação dos públicos, com ofertas personalizadas e direcionadas para leads qualificados, a prospecção ativa, também conhecida como Outbound Marketing pode trazer muitos resultados para a receita do seu negócio.

Prospecção Passiva

Já na Prospecção Passiva, o público-alvo é quem procura o seu negócio. Buscando formas de resolver seu problema, encontra a sua marca e faz o contato. As principais formas de atrair o público por prospecção ativa online é através de SEO, LinkedIn e produção de conteúdo, como no caso de blogs. Esse tipo de prospecção é muito associada ao Inbound Marketing, também conhecido como Marketing de Atração. Apesar disso, os dois termos não são sinônimos.

Segmentar o processo de vendas

Se todo o processo de prospecção de novos clientes é feito somente pelos próprios vendedores, é hora de rever essa dinâmica. Isso porque colaboradores cansados, desmotivados, sobrecarregados e sem clareza sobre as métricas não vão incrementar a sua receita. Com profissionais específicos para cada etapa cria-se uma maior confiança e autoridade de cada um sobre os processos que executa.

Essa é a perspectiva de Aaron Ross, Diretor de vendas da Salesforce. Ele desenvolveu um modelo de prospecção de clientes que gerou uma receita de 100 milhões de dólares para a marca. No livro “Predictable Revenue”, o autor propõe que as vendas não devem depender de fatores externos e do acaso. Para ter sucesso é necessário estruturar o processo de conversão. Este passa por 3 pontos, como listamos abaixo:

1- Mensuração eficiente

Diferente dos moldes antigos, em que o que se mensurava era o tempo e a quantidade de ligações feitas por cada membro da equipe, para avaliar como anda o trabalho de prospecção realizado pelos seus colaboradores é preciso fazer uma análise de resultados efetivos.

2- Técnica

A conversão em venda deve ser baseada nas necessidades do público-alvo e na integridade do relacionamento. Ou seja, neste modelo a venda não deve ser feita a todo custo, o processo deve resolver as dores e dúvidas do cliente.

Leia também: Como fazer pesquisa de mercado e qual a sua importância para as empresas. 

3- Objetivo final

Além da venda, a prospecção de clientes também tem a preocupação com a fidelização. É preciso admitir quando o seu produto ou serviço não atende as necessidades desse target. Nesse sentido, uma das garantias de uma relação saudável e duradoura é fazer uma venda para quem realmente precisa e que esteja alinhado com as visões do serviço ou produto que a sua marca oferece.

Implementar CRM para Prospecção de Clientes

Prospecção de Clientes

E como saber quem está no momento certo para fazer a abordagem por telefone ou email? Uma das alternativas é a contratação de Softwares de CRM (Customer Relationship Management). Essas são ferramentas para ajudar o seu negócio a gerenciar e analisar a relação com os clientes.

Como já mencionado, o processo de prospecção atual não pode ser baseado na intuição. Dessa forma, o CRM contribui para entender os motivos de perda de prospects qualificados. Assim, contribui para implementar novas estratégias para solidificar esse relacionamento até o momento de assinar o contrato.

Segmentar para ampliar oportunidades na prospecção de clientes

O ponto mais importante da prospecção de clientes é a possibilidade de segmentar o seu público. Já que, é a partir dessa segmentação que você pode estruturar todo o seu processo de vendas e alcançar os objetivos da sua organização a longo prazo.

Isso porque, se você tem a meta de atender a um nicho específico do mercado, a oportunidade de captar esses clientes está nas mãos da sua equipe de prospecção. Para isso, é necessário estar alinhado a uma boa estratégia. Dessa forma, é possível se destacar como referência no atendimento desse tipo de consumidor.

A Mais Consultoria pode te ajudar. Quer saber como implementar uma prospecção de clientes efetiva no seu negócio e alavancar as suas vendas? Conte com a nossa consultoria especializada. Clique aqui e saiba como.

Recuperação de tributos e os benefícios para sua empresa

Você sabia que grande parte das empresas de certos segmentos pagam mais impostos do que deveriam? Isso influencia diretamente na situação financeira das empresas, uma vez que o valor desperdiçado poderia estar sendo usado em outros setores para impulsionar o crescimento do negócio. Mas a boa notícia é que esse crédito pode ser recuperado e devolvido ao caixa da empresa. Quer saber mais sobre o assunto e os benefícios da recuperação de tributos para a sua empresa? Então continue a leitura!

O que é recuperação de tributos?

recuperação de tributos

Como já falado anteriormente, a maioria das empresas está sujeita a pagar tributos desnecessários ao governo, independente do porte do negócio. Ou seja, até as grandes empresas são prejudicadas com o pagamento indevido de tributos.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) são criadas mais de 30 normas tributárias diariamente no Brasil. Com o elevado número de impostos, muitas empresas acabam pagando mais tributos do que deveriam ao governo e, por imaginar que a recuperação é burocrática, acabam aceitando e não restituem o valor.

Essa cobrança indevida acontece por diversos motivos. Um deles é a bitributação, isto é, quando impostos que já foram pagos, são cobrados e pagos novamente em outra etapa da cadeia. Além disso, existem também problemas de informações com a classificação fiscal dos itens, com registro de compras, vendas e estoque. Sem contar que muitos empresários desconhecem os benefícios previstos na legislação a respeito da redução de impostos. 

Em tempos de crise, principalmente, as empresas se veem em um cenário incerto e, por isso, a necessidade de gerir os recursos tributários com eficiência torna-se ainda mais importante. 

O lado positivo disso tudo é que é possível recuperar impostos por meio de alguns tributos, sejam eles do âmbito municipal, estadual ou federal. São eles: 

  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);
  • FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) – multa dos 10% em demissões sem justa causa;
  • ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços);
  • ICMS – Contas de energia elétrica;
  • ICMS – Substituição Tributária;
  • INSS (Instituto Nacional da Seguridade Social) sobre verbas indenizatórias – nos casos de demissão sem justa causa;
  • IOF (Imposto sobre Operações Financeiras);
  • IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados);
  • IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica);
  • ISS (Imposto sobre Serviço);
  • PIS (Programa de Integração Social).

Benefícios da recuperação de tributos

A recuperação tributária é uma boa saída, principalmente para aquelas empresas que estão passando por um momento de crise financeira, uma vez que, muitas vezes, devolve ao caixa montantes significativos e capazes de reerguer o negócio economicamente.  Além disso, o valor recuperado pode ser utilizado para melhorar o fluxo de caixa e gerar mais resultados para a empresa. 

Como recuperar tributos

recuperação de tributos

A recuperação tributária é um benefício que todas as empresas que fizeram pagamento indevido têm direito, de acordo com a legislação de tributos. O primeiro passo é fazer uma análise técnica para identificar a existência ou não de créditos fiscais e da cobrança de débitos indevidos. Quando identificados, o próximo passo é solicitar a recuperação do crédito tributário.

De acordo com a lei, a recuperação pode ser feita em até cinco anos. Existem dois meios de recuperar o crédito, por meio de compensação ou da restituição. Caso o empresário opte pela compensação, o valor será descontado no pagamento dos tributos futuros. Caso o meio escolhido seja a restituição, o valor será devolvido em espécie para a empresa. Essa última alternativa, por ser mais burocrática, demanda um tempo maior para a solução do problema

Vale ressaltar que a recuperação de tributos tende a ser complexa e burocrática. É por isso que é fundamental contar com o auxílio de uma consultoria financeira especializada. Clique aqui para entrar em contato com a Mais. Nós podemos ajudar você a resolver essas questões com mais agilidade e assertividade.

5 dicas de controle financeiro para pequenas empresas

Toda empresa deseja crescer, se desenvolver e se consolidar no mercado. Para isso é preciso contar com a chave do sucesso de todo negócio que é o controle financeiro. O sucesso de uma organização depende de uma gestão de qualidade, de uma equipe de alta performance e de uma boa saúde financeira. Para ajudar sua empresa nesse processo, separamos a seguir 5 dicas de controle financeiro para pequenas empresas. 

A análise da situação financeira, o acompanhamento dos indicadores de sustentabilidade e o planejamento financeiro são importantes armas para consolidar um negócio e acompanhar sua evolução.

Controle financeiro para pequenas empresas: o que é?

O controle financeiro empresarial é a ferramenta que vai mostrar onde é possível investir o dinheiro da empresa, quais as despesas e receitas frequentes.

Assim, é possível ter noção de cada área ou necessidade para as quais o dinheiro está sendo aplicado, pois ele possibilita a visão de:

  • Custos operacionais;
  • Salários;
  • Fontes de lucro;
  • Fontes de prejuízo;
  • Planejamento orçamentário;
  • Contas a pagar;
  • Contas a receber.

Dicas de controle financeiro para pequenas empresas

controle financeiro para pequenas empresas

A prática do controle financeiro empresarial não só se torna essencial para garantir o sucesso das empresas, mas também a sua vitalidade. Por isso, veja a seguir 5 dicas de controle financeiro para pequenas empresas:

Entenda a situação financeira do seu negócio

O primeiro passo para obter o controle financeiro empresarial é tomar consciência sobre a atual situação financeira da empresa.

Para isso, liste os pontos negativos e positivos dos processos financeiros, qual o posicionamento da empresa no segmento que atua e a situação do mercado no qual a empresa está inserida. Esses aspectos ajudam a visualizar quais recursos estão a favor da saúde financeira da empresa e quais cortes são necessários.

Tenha controle do caixa 

O fluxo de caixa controla todas as entradas e saídas de recursos do caixa. Ou seja, dados sobre recebimentos, pagamentos, vendas e gastos devem ser rigorosamente registrados na ferramenta. Assim, é possível compreender a capacidade de lucro de um negócio. 

Separe as finanças pessoais das empresariais

Um erro muito comum no mundo dos negócios é o fato dos gestores confundirem as finanças pessoais com as finanças da organização. Isso é extremamente prejudicial e pode fazer com que a sua empresa se afunde nas dívidas. Portanto, mantenha uma separação clara entre os recursos de cada área. Caso você enfrente uma crise financeira pessoal, busque outras soluções ao invés de utilizar sua empresa como banco de crédito.  

Corte custos desnecessários

Existem nas empresas algumas funções que servem apenas para gerar gastos. Portanto, analise os processos e veja quais funções não são necessárias para o funcionamento do negócio. Depois de identificá-las, o próximo passo é cortá-las. Além disso, algumas despesas como luz, telefone e água podem ser significativamente reduzidas. Principalmente se houver a colaboração de toda a equipe.

Registre todas as operações financeiras

O fluxo de caixa, apesar de controlar as entradas e saídas de dinheiro, não é suficiente para manter todo o controle financeiro. Por isso, anote todas as transações, desde a mais simples até a mais complexa. Ou seja, comprou um pacote de folhas? Anote! Adiantou o vale-saúde de um funcionário? Anote também! Além disso, tenha recibo e nota fiscal de todos os gastos que for possível.

Peça ajuda profissional

Já pensou em contar com o auxílio de profissionais especializados em gestão financeira? Esse tipo de serviço pode te ajudar a controlar as finanças do seu negócio e, consequentemente, acumular lucros com a empresa. Clique aqui para falar com a Mais e obter mais informações. 

 

Nossa localização

Faculdade de Engenharia - UFJF Rua José Lourenço Kelmer, s/n São Pedro, Juiz de Fora - MG