teste

Custo direto e indireto: diferenças e como controlá-los em pequenas e médias empresas

Para precificar produtos e serviços é preciso saber os valores gastos para toda a produção e funcionamento da empresa. Dessa forma, é possível calcular corretamente a margem de lucro e manter o negócio em pleno funcionamento. Entenda agora o que é custo direto e indireto e a importância do controle sobre esses valores.

O que é custo direto e indireto? 

O custo direto são os gastos associados à fabricação do produto vendido ou da mão de obra, no caso de prestação de serviços.

Por exemplo, se a sua empresa vende doce de leite, seus custos diretos são: a matéria-prima, como o leite; o plástico para as embalagens do produto; e assim por diante. Mas, se o seu negócio vende serviços, como manutenção predial, o seu custo direto é a mão de obra dos profissionais da equipe e todos os encargos relacionados à previdência social dos mesmos.

Resumindo, tudo que seja objetivamente ligado à entrega final do seu produto e/ou serviço é considerado um custo direto.

Gestão de produção

Já os custos indiretos são necessários para o pleno funcionamento da cadeia produtiva, mas não diretamente relacionado ao produto final. Por não serem diretos, é preciso fazer uma matemática detalhada para estabelecer critérios de rateio e alocar esses custos na hora de precificar o produto final do seu negócio.

São exemplos de custo indireto a energia elétrica usada para o funcionamento das máquinas, setores da empresa como parte administrativa e, no caso dos serviços, peças e maquinário necessário para executar o trabalho etc.

Rateio de custos

O rateio de custos é feito pelo setor contábil da empresa. Com ele é possível conhecer detalhadamente quanto cada setor da empresa gasta proporcionalmente do montante de gastos. Veja as duas principais formas de cálculo de rateio.

  • Por faturamento: esse tipo de rateio leva em consideração a rentabilidade de cada produto e/ou serviço no faturamento mensal do negócio.
  • Por custo indireto: aqui aplicá-se o valor dos custos indiretos sobre cada produto.

Importância de diferenciar esses custos nas pequenas e médias empresas

Uma gestão financeira eficiente e o crescimento do negócio depende da precificação correta desses custos. Isso porque entender os gastos e tê-los estabelecidos de forma rigorosa ajuda a entender os processos da empresa. Assim, é possível incrementar estratégias que contribuam para o maior aproveitamento e melhores resultados no negócio.

Algumas vantagens de diferenciar esses custos:

Custo direto e indireto

  • Planejar os próximos passos da empresa.
  • Precificação de forma mais precisa.
  • Enxergar oportunidades de diminuir os custos.

Precisa de ajuda?

Agora que você já entendeu a diferença entre custo direto e indireto que tal uma assessoria na hora de calcular esses valores? A Mais Consultoria atua na cidade de Juiz de Fora e região do entorno com o objetivo de realizar projetos que geram redução de custos, aumento de produtividade e aumento de vendas para seus clientes. 

A empresa já entregou mais de 200 projetos de sucesso, contribuindo para a melhoria dos processos das empresas atendidas. Entre em contato no banner abaixo e faça uma avaliação com um dos consultores.

Fale com um consultor

Empresa Familiar: dicas e cuidados necessários para uma boa gestão

No Brasil, 52% das micro e pequenas empresas são familiares. (Pesquisa Sebrae 2017)

O pilar das empresas familiares é ter como colaboradores os próprios membros do grupo familiar. Essa característica pode ser positiva, pela questão de ter pessoas de confiança trabalhando na equipe e com um forte vínculo emocional com o projeto. Este aspecto também pode ter seu lado negativo. Entre os malefícios, estão:

– Ter as decisões baseadas pelas emoções.
– Mistura de finanças da empresa com a da família.
– Profissionais com pouca capacitação.

Veja agora as dicas e cuidados necessários para gerir sua empresa familiar.

Processos de padronização com profissionais qualificados

As empresas familiares normalmente são fundadas com poucos recursos e, por isso, seu membros desempenham muitas funções ao mesmo tempo. No entanto, quando o negócio começa a crescer é preciso ter como prioridade a contratação de mão de obra qualificada para exercer cada função. Marketing, RH, gestão e tantos outros ramos que não podem ficar defasados com o aumento da relevância da marca no mercado.

Além disso, é nesse ponto que os familiares, sobretudo os que ocupam cargos de chefia, precisam começar a alinhar a forma de gestão e perspectivas futuras. Um negócio familiar tem muitas chances de dar errado devido a brigas internas.

Fala com um consultor

Crescimento profissional e direitos trabalhistas

A empresa familiar conta com profissionais que são do próprio grupo familiar e isso pode ter duas consequências ruins. Há os casos em que a empresa não segue a risca as leis trabalhistas, faz tudo de “improviso”.  O que é muito prejudicial para o trabalhador e seus direitos junto à Previdência Social, como férias e aposentadoria.  Mesmo nos pequenos negócios é importante que tudo seja feito dentro das normas e leis vigentes no país. Assim evita-se problemas para a empresa e prejuízos para os colaboradores.

Também é preciso ter em mente que os membros do grupo familiar precisam se capacitar tanto quanto ou até mais que os demais colaboradores. A perspectiva de “já ter a vaga garantida” pode ser sinônimo de estagnação na busca por conhecimentos e melhora na entrega de resultados dentro da empresa. Ou seja, é importante motivar todos os colaboradores, do grupo familiar ou não, para crescer dentro da empresa, buscar especializações e capacitações. A empresa pode motivas os profissionais com a oferta de cursos e workshops, incentivos financeiros e flexibilização de horas para que os colaboradores se dediquem as estudos.

Sucessão em empresa familiar

O momento de mudar a chefia é um quesito nas empresas familiares que pode ser muito bem aproveitado.  As gerações mais novas assumindo a empresa familiar podem trazer novas ideias. Além de implementar conhecimentos e técnicas modernas para fazer a marca crescer.

No entanto, para que essa sucessão seja estabelecida com sucesso é importante estruturar um plano de sucessão. E ainda, ter em mente que o jovem pode ter outras aptidões e não ter vontade e interesse de gerir o negócio da família. Por isso, é essencial estruturar desde sempre esse futuro da gestão da organização. No Brasil, de acordo com a última pesquisa realizada pela PwC (2016), apenas 19% das empresas familiares do Brasil tinham plano de sucessão.

Pra que serve plano de sucessão?

  • Manter o pleno funcionamento da empresa e fazer uma transição tranquila para os demais colaboradores, investidores e mercado.
  • Transparência do processo.
  • Ter profissionais cada vez mais capacitados para assumir os devidos cargos.
  • Metas a curto, médio e longo prazo.


Financiamento para as empresas familiares

Para expandir o negócio é preciso investimento de capital. Nas empresas familiares, muitos optam por por utilizar o próprio dinheiro para estimular o crescimento da empresa. Dessa forma, não dependem de financiamento dos banco e investidores. No entanto, esse é um grande risco. Se algo der errado com a empresa, toda a família fica desamparada. O ideal é que se atinja um equilíbrio entre o investimento próprio e o feito por terceiros. E dessa forma, manter um  nível de crescimento seguro para o negócio.

Leia também: 5 dicas de controle financeiro para pequenas empresas

Precisa de ajuda com a gestão dos processo da sua empresa familiar? Entre em contato com os nossos consultores. Os projetos da Mais Consultoria abordam as áreas de Gerência da Produção, Gerência Financeira, Estratégia e Organização e Qualidade, contribuindo com soluções inteligentes para negócios.  Entre em contato aqui.

 

Nossa localização

Faculdade de Engenharia - UFJF Rua José Lourenço Kelmer, s/n São Pedro, Juiz de Fora - MG