Quais são as diferenças entre modelo e plano de negócio?

Você sabe qual a diferença entre modelo e plano de negócio? Apesar de terem nomes muito parecidos, eles são completamente diferentes, mas extremamente complementares!

Enquanto o modelo de negócio é a base, a ideia original de sua empresa, o plano é a sua estrutura, a descrição geral de como sua empresa funciona. O plano de negócio é um documento escrito, que contém tudo sobre a empresa, inclusive o detalhamento do modelo de negócios.

Antes disso, é importante entender os respectivos significados desses termos para que você possa entender suas semelhanças e diferenças e em qual estágio do negócio você deve prestar atenção a cada termo. Continue a leitura!

O Plano de Negócio

O Plano de Negócio (também conhecido como Business Plan) é o método mais tradicional usado há dezenas de anos para explicar novas empresas!

Normalmente, é um arquivo em Word/PDF que contém descritivamente todas as áreas do negócio, como:

a) Descrição dos Produtos e Serviços
b) Análise da Concorrência
c) Estratégia de Marketing
d) Segmento de Clientes
e) Distribuição Societária
f) Classificação Tributária
g) Estrutura Organizacional
h) Projeção Financeira e de Retorno

A última coisa a notar é que o plano de negócios é baseado em uma ideia de negócio, geralmente relacionada às habilidades técnicas do empresário. Em outras palavras, todo o plano foi desenvolvido para “provar” que a ideia é comercializável, financeiramente viável!

O foco do plano de negócios é fornecer aos executivos, investidores e outras partes interessadas uma visão abrangente e detalhada da situação do negócio. Este é um documento de extrema importância para a busca de empréstimos, fontes de financiamento e investimentos, viu?!

O plano é uma ferramenta vital que não só deve ser revisado regularmente quando a empresa abre, mas também deve ser revisto regularmente para a expansão e manutenção da empresa.

O Modelo de Negócio

Já o Modelo de Negócio (também conhecido como Business Model) é uma ferramenta nova desenvolvida pelo consultor Alexander Osterwalder em 2008

O modelo de negócios representa como a empresa cria e entrega valor aos clientes. Isso é feito estruturando os elementos e etapas que tornam sua empresa única e demonstrando “como” o trabalho é feito.

Dentre algumas das possibilidades de elaboração de modelos de negócios, a mais conhecida é por meio de um método denominado Canvas.

O Canvas é uma ferramenta visual, muito simples, essencial para qualquer tipo de empresa. Ele ajuda a identificar a maneira  como a empresa consegue criar, entregar e capturar o valor. É por meio da ferramenta que o Empreendedor fará uma reflexão identificando se existe uma conexão entre as partes, formando um sistema.

Essa ferramenta o ajudará na fase de análise das oportunidades de mercado que os empreendedores pensam. Com ele, é possível entender a natureza do negócio, não o planejamento.

No Modelo de Negócio, é o momento de expor de maneira bastante clara e direta a proposta de valor da empresa. Isso é realizado por meio de um quadro, formado por 9 blocos:

  1. Proposta de valor
    o que é que vou entregar? qual o diferencial? qual a inovação na atividade que vai gerar ganho
  2. Para quem
    Público-alvo que se pretende atingir
  3. Como
    Qual a dinâmica do negócio, operação, possíveis parcerias
  4. Quanto
    fonte de receita, de que maneira o negócio vai se monetizar

Diferença: Modelo e Plano de Negócio

A essa altura, você deve ter percebido que esses dois processos são particularmente importantes, mas em geral são completamente diferentes. Por outro lado, um plano de negócios é um documento detalhado que pode comprovar sua viabilidade para você e para o futuro relacionado ao seu negócio.

Isso é feito por meio de análises de mercado, econômicas e de processos. Por outro lado, um modelo de negócio é um documento com vieses visuais e práticos, para que qualquer pessoa possa entender seu negócio de uma perspectiva macro, mesmo em novos projetos dentro do seu escopo de negócios.

É verdade: toda empresa tem um plano de negócios, mas pode ter vários modelos de negócios, cada um deles separado pelo tipo de entrega.

Ambas as ferramentas são eficazes e interessantes quando se trata de construir um negócio.

Um pode aprofundar mais dados e mostrar caminhos que podem ser explicados a outros, enquanto o outro é mais flexível e permite que outras visões auxiliem na execução de propostas e discussões entre parceiros e funcionários.

Em suma, o modelo de negócio é a ideia de como você pretende ganhar dinheiro, já o plano de negócio é exatamente como você planeja fazer isso.


Construir um novo negócio do zero não é uma tarefa nada fácil. No entanto, um bom começo pode evitar problemas que possam surgir no futuro. Dessa forma, você garante previsibilidade e avaliacuidadosamente a viabilidade de novos projetos.

A Mais Consultoria Jr. pode te ajudar!

Nós desenvolvemos ferramentas de gestão para empresas incluindo Plano de Negócio e Modelo de Negócio! Através de uma análise personalizada do seu negócio vamos atuar com propostas que visam agregar valor e aumentar a competitividade do seu produto ou serviço.

 

5 dicas para planejar o início do ano na sua empresa

O final do ano é a melhor época para colocar as coisas em ordem, ou seja, começar a planejar o início do ano na sua empresa e iniciar o ano seguinte com as energias recarregadas!

Começar o planejamento do negócio com antecedência é condição essencial para melhorar a lucratividade de qualquer empresa, independente do setor de atuação ou porte.

Segundo o IBGE, no Brasil, quase metade das empresas fecha em três anos por falta de planejamento.

Além disso, os momentos de crises reforçam a importância do planejamento. Uma grande crise pode ser totalmente imprevista. Então imagine passar por ela sem controle do que vem sendo feito na sua operação e sem o norte que o planejamento estratégico dá para o futuro?!

Todo início de ano é muito importante ter uma estratégia planejada para se seguir bem ao longo do caminho. Sendo assim, trouxemos 5 dicas que vão ajudar, e muito, no começo de ano da sua empresa.

Como fazer o planejamento de sua empresa para o próximo ano

 

  1. Faça uma análise do último ano

Não estamos falando só daquele já conhecido: balanço financeiro. (Também muito importante!)

Você deve tirar um tempo para fazer uma retrospectiva e relembrar todas as ações que deram certo e errado, os produtos mais e menos vendidos e os investimentos com maior e menor retorno.

Essa análise vai te ajudar a definir no que apostar novamente, no que é preciso melhorar e como executar, pra não errar novamente no próximo ano.

Entenda de uma vez, para mudar o atual cenário é preciso verificar como foi o cenário anterior e para que isso aconteça é necessário ter uma avaliação detalhada sobre o seu negócio.

Esse diagnóstico costuma explicar suas métricas, os erros, os acertos, o lucro, quais foram os pontos que geraram resultados e quais foram os obstáculos enfrentados ao decorrer do último ano.

2. Trace metas e objetivos

Coloque no papel quais são os objetivos da empresa para o próximo ano. Desde metas financeiras e de vendas até indicadores mais internos de cada setor, defina onde você pretende chegar.

Atenção: esses números não podem ser inseridos aleatoriamente, por isso a etapa acima é importante. Ela te guiará na hora de traçar metas tangíveis e novos rumos para o seu negócio.

Além disso, planeje ciclos menores. Principalmente nesse período instável em que estamos vivendo, é preciso errar rápido e acertar rápido, então planeje esses períodos de testes e diferentes cenários.

3. Defina planos de ação

Não adianta nada definirmos as metas e os objetivos do negócio, se não estipularmos os planos de ação e quem serão os responsáveis por cada um deles, certo?!
Um plano de ação é uma forma organizada e que segue uma metodologia definida para definir metas e as atividades que devem ser realizadas. Além disso, ele deve apontar os responsáveis por desenvolver cada uma delas e acompanhar o andamento de um projeto, para que se possa atingir os melhores resultados.
Você pode utilizar uma ferramenta de gerenciamento de processos, chamada de CICLO PDCA para essa definição e acompanhamento dos planos de ação!

4. Execute e seja adaptável

Esta é a fase em que as ações planejadas no Plano de Atividades serão colocadas em prática. Para cada uma delas, deverá ser atribuído o consumo de orçamento previamente calculado, assim como dos recursos humanos e físicos. O executor ou executora, deve analisar a execução de cada uma das atividades porque é nesta etapa que ficarão evidentes os eventuais erros e desvios que poderão prejudicar o andamento do plano.

E por que “ser adaptável”? Lembre-se que nem sempre os planos saem como queremos e é preciso contornar a situação, adaptando-a.

5. Monitore os resultados

De nada adianta planejar e não acompanhar os resultados, não é mesmo?!

É necessário monitorar com frequência o andamento das metas estabelecidas, desde o começo do ano. Não espere que o cenário esteja ruim para começar a medir e testar novas estratégias.

Só com o acompanhamento regular dos resultados é possível conhecer onde a empresa pode melhorar seus custos, reduzir despesas ou aproveitar oportunidades que podem não estar sendo exploradas.

Fale com um especialista da Mais

Já imaginou ter resultados positivos durante o ano todo? Tenha o apoio profissional necessário para decolar os resultados do seu negócio!

Se você quiser conhecer como uma consultoria especializada para o seu negócio, clique aqui.

Investir em franquia vale a pena?

O setor de franquias no Brasil é um dos que mais cresce. Inclusive, supera o avanço do PIB nacional, que teve um crescimento de 0,4% no 2° trimestre de 2019. Mas, isso é suficiente para querer investir em um negócio como este? Acompanhe o texto para saber se investir em franquia vale a pena ou não.

Panorama do último trimestre

De acordo com a pesquisa da Associação Brasileira de Franchising do 2º semestre de 2019, o setor de franquias teve um aumento de 5,9% no faturamento se comparado com o mesmo período do ano passado. Abaixo é possível acompanhar os dados por segmento.  Há destaque para os setores de “Serviços e outros negócios” (8,9%) e “Serviços educacionais” (8,7%).

Investir em Franquia vale a pena? Tabela do Faturamento de Franquias no 2º trimestre de 2019

Imagem retirada da pesquisa da Associação Brasileira de Franchising

O setor ainda teve um crescimento de 10% na geração de empregos diretos, ainda de acordo com a pesquisa da ABF. Ou seja, mesmo com os problemas econômicos enfrentados pelo Brasil atualmente, investir em franquia vale a pena: elas se mostram como um segmento aquecido e promissor.

Como investir em franquia?

Se os números fora animadores para você, saiba agora todo o procedimento para investir em franquia.

Para você ter o direito de usar o nome da marca franqueada e todo o seu know-how é preciso pagar uma série de encargos. Algumas das taxas incluídas são:

  • Taxa de franquia: pagamento único para ter o direito de usar o nome da marca.
  • Royalties: valor mensal sobre o faturamento.
  • Propaganda: porcentagem para contribuir com o marketing da marca.
  • Serviços e sistemas: valor pago para garantia de imprevistos e manutenções gerais.

Apesar das taxas, investir em franquia vale a pena pois o principal benefício neste modelo de negócio é que a fórmula do sucesso já está pronta. Tendo em vista que a marca já deu certo e o plano de negócio já está estruturado. Além disso, são oferecidos treinamentos e cursos específicos para manter o padrão de qualidade geral da empresa e divididos outros custos, como o de maquinário, com os demais franqueados. E, o melhor de tudo, a marca já tem credibilidade no mercado.

Investir em Franquia vale a pena? Banner para receber proposta

Para refletir

Apesar de todos os pontos positivos apresentados anteriormente, é preciso pensar ainda nas limitações impostas pela compra de uma franquia. A localização é determinada pelo franqueador e os produtos oferecidos são limitados aos que a marca oferece. Além disso, toda a logística, processos e decisões são feitas pela franquia e devem ser acatadas por todos os franqueados.

E, apesar do modelo de negócio estruturado, não existe a real garantia de que a sua unidade terá sucesso efetivamente.  Sabendo disso, se deseja investir no modelo de negócios, veja como escolher a marca para adquirir a franquia.

Investir em franquia: qual escolher?

Investir em Franquia vale a pena? Qual escolher?

Na hora de escolher a marca que deseja comprar é preciso ter em mente que não basta ter afinidade com ela enquanto consumidor. Avalie se há fit entre o que você deseja enquanto empreendedor e o que a marca se propõe a vender. Além disso, é preciso levar em consideração o capital que você tem disponível. Esse ponto já irá contribuir para descobrir o que é viável ser feito, em termos financeiros.

Precisa de uma consultoria empresarial especializada para gerir o seu negócio e que sabe como investir em franquias? Fale com a Mais Consultoria. São 16 anos contribuindo com soluções inteligentes para negócios, desenvolvendo projetos que abordam as áreas de Gerência da Produção, Gerência Financeira, Estratégia e Organização e Qualidade. Entre em contato pelo nosso formulário.

Gestão de produção