Mapeamento de Fluxo de Valor: gerencie o seu estoque com o MFV

O Mapeamento de Fluxo de Valor é uma ferramenta de comunicação e planejamento que permite que as pessoas entendam seu processo de manufatura com detalhes.

A partir dele, é possível estabelecer uma linguagem comum entre os colaboradores e dar início aos processos de melhoria.

Uma vez definidos os produtos da empresa a serem mapeados primeiro, o estado atual do projeto começa com a coleta de informações como: tempo, número de pessoas envolvidas em cada processo, etc.

O Mapeamento de Fluxo de Valor será a força motriz para a melhoria dos processos responsáveis ​​pela transformação dos produtos.

Depois de executar os diagramas de estado atual e futuro, você notará que muitos processos podem ser removidos de sua empresa.

Vamos entender melhor como aplicá-lo na prática para melhorar a gestão de estoque? ↓

3 principais benefícios do Mapeamento de Fluxo de Valor

Permite a visualização macro dos processos

O MFV possibilita a organização ter uma visão sistêmica de todo processo de um produto.

Por ser tudo compilado em um único mapa as atividades, é possível visualizar: a quantidade de mão de obra empregada, tempo da atividade, tempo entre as atividades, transporte de matéria-prima e do produto final, entre outros processos.

Facilita a identificação dos problemas

Se torna mais fácil enxergar pontos de melhoria que vão trazer, de fato, valor ao cliente. Como por exemplo: a redução no tempo de fabricação, de entrega e a melhora na qualidade final.

Fica mais claro perceber onde é possível diminuir ou eliminar fontes de desperdícios!

Torna os planos de ação tangíveis

Uma parte importante do Mapeamento de Fluxo de Valor é a visualização de onde se quer chegar, e para além disso, como a empresa chegará lá.

As mudanças são realizadas já sabendo qual o resultado esperado, ou seja, são mais assertivas e, consequentemente, mais lucrativas.

Qual a diferença entre o Mapeamento de Fluxo de Valor e o mapeamento de processos?

A principal diferença está no foco dessas duas ferramentas.

O mapeamento do processo concentra-se em uma única etapa, ou seja, uma série de etapas para executar as atividades. Já o mapeamento do fluxo de valor se concentra em todo o processo, desde a entrada até a saída de materiais e informações.

Além disso, o objetivo de realizar o mapeamento de processos é tornar esses processos mais padronizados, permitindo que diferentes agentes entendam e reduzam erros e alterações.

O objetivo do Mapeamento de Fluxo de Valor é determinar o estado futuro e fazer melhorias por meio de outras ferramentas enxutas, como 5SKaizen.

Passo a passo para desenhar um mapa de Fluxo de Valor

1) Organize a equipe e a escolha do produto

Na equipe, é importante ter pessoas de diferentes níveis (estratégia, gestão e operações) e departamentos para facilitar o desenho de todo o processo.

É importante definir um líder de projeto que tenha uma visão sistemática do processo e tenha autoridade para tomar decisões.

Para um produto ou série de produtos, é interessante começar com o produto ou série de produtos que é mais crítico ou de maior valor para o cliente.

2) Observe o fluxo atual

A equipe deve percorrer todo o processo produtivo do produto, do início ao fim, observando todas as etapas e os fluxos de materiais e informações envolvidos.

Recomenda-se fazer esta rota mais de uma vez, ou mesmo fazer outra rota para capturar todos os detalhes do processo.

3) Desenhe o processo atual

Nesta etapa, coletamos a equipe e todas as anotações feitas para a concepção do VSM, enfatizando que é um mapeamento do processo atual porque realmente aconteceu, não o que deveria ser.

Para o primeiro esboço, é recomendável usar papel e lápis para evitar perder o foco em coisas irrelevantes.

Aqui, não é necessário incluir todos os detalhes observados, mas incluir os detalhes essenciais do processo. Alguns exemplos disso são: o número de trabalhadores em cada etapa, o tempo que agrega valor e o tempo do processo que não agrega valor, e assim por diante!

4) Analise o fluxo de valor atual

Neste momento, avalie o fluxo de valor atual com o fluxo de valor estabelecido. É hora de analisar criticamente cada etapa e localizar o desperdício.

Isso pode ser inventário excessivo, tempo de inatividade excessivo, problemas de qualidade levando a retrabalho, etc. Esses pontos de melhoria são marcados com “surto de melhoria” no mapa.

5) Desenhe o fluxo de valor ideal

Após identificar os pontos, a equipe deve desenhar o mapa de fluxo de valor do futuro, ou seja, como será o processo ideal após a implantação das melhorias apontadas no mapa atual.

6) Crie um plano de ação

Depois de criar o desenho do mapa ideal e tendo a aprovação do corpo de lideranças da empresa, chegou o momento de fazer o plano de ação.

É preciso ter clareza em todas mudanças que os envolvidos precisam fazer e ter métricas para medir se a mudança está tendo o resultado esperado!

Por ser uma ferramenta muito completa, o mapeamento do fluxo de valor permite especificar diversos aspectos como: 

  • Detalhamento dos processos com caixas de dados;
  • Quantificação de estoques;
  • Fluxo de informação e sistema de controle;
  • Lead time de manufatura e valor agregado;
  • Demanda do cliente;

Quer aplicar o Mapeamento do Fluxo de Valor na sua empresa?

Apesar do processo de criação de um Mapeamento do Fluxo de Valor ser bastante desafiador e envolver diversas etapas, o seu retorno é bastante positivo.

Por meio dessa ferramenta, as empresas conseguem reduzir significativamente os principais problemas envolvendo desperdícios na produção, principalmente quando falamos sobre a gestão de estoque.

Contratar uma empresa de consultoria pode fazer uma grande diferença nessa hora. Clique no banner abaixo para falar com nossos consultores e entender como a Mais Consultoria pode te ajudar: