Plano de Negócios: guia completo para montar o seu

Nada acontece por acaso e para as coisas darem certo é preciso que haja um planejamento. No mundo dos negócios, boas ideias são essenciais, mas para elas saírem do papel é preciso contar com um Plano de Negócios.  Ele é responsável por embasar e dar assistência às ideias e às oportunidades encontradas pela empresa.

O que é Plano de Negócios?

Para entender como aplicar o plano de negócios e aproveitar as vantagens que ele proporciona primeiramente é preciso saber o que ele significa. Plano de negócios é uma ferramenta de gestão que permite que você entenda sobre o seu mercado de atuação. Além disso, ele também possibilita que você tenha uma visão mais precisa do futuro da empresa e, com isso, não siga um caminho errado.

Para isso, é preciso registrar diversas informações correspondentes à empresa, como metas e objetivos a serem conquistados.

Ele não é o responsável pela rentabilidade da empresa, mas ajuda no gerenciamento de riscos, sendo possível prever problemas futuros e já resolvê-los antes que ele ocorram.

Um bom plano de negócios te transforma em um entendedor íntimo do seu modelo de negócios, trazendo conhecimento e profundidade.

Imagino que você prefira errar no papel ao invés de errar  no mercado, certo? Portanto o seu plano de negócios deve ser feito por escrito para que você consiga acompanhar todos os registros.

Planos de negócios também auxiliam no processo de atrair investidores, porque mostram que houve um trabalho em conhecer a fundo o mercado, o que diz que o empreendedor é preocupado com o sucesso do seu negócio e não apenas alguém querendo lucrar com uma ideia.

Como montar um Plano de Negócios?

Mas como montar um plano de negócios? Ou melhor: como montar um plano de negócios inovador, diferenciado e efetivo?

Para te transformar em um mestre da criação de planos de negócios, primeiramente você precisa saber que o plano de negócios é dividido em 5 partes:

  • Sumário executivo;
  • Análise de mercado;
  • Plano de marketing;
  • Plano operacional;
  • Plano financeiro.

E nenhum desses itens pode ficar de fora do seu documento.

Sumário Executivo

O sumário executivo é um resumo de todo o plano de negócios. Atenção: não confunda com uma introdução. O sumário executivo contém os pontos principais do plano.

Apesar dele ser a primeira parte do plano, ele só deve ser elaborado depois que todo o resto do documento já tiver sido escrito.

Este sumário deve ser simples, contendo no máximo duas páginas. Nele é preciso conter:

  • Um resumo dos principais pontos da empresa (o que é, quais os principais produtos/serviços, quem serão os clientes, onde será localizada, qual o capital investido, qual o faturamento mensal, qual lucro espera-se obter, em quanto tempo espera-se que o capital investido retorne);
  • Dados dos responsáveis pelo negócio, um curriculum breve de cada um e as atribuições de cada um dentro da empresa;
  • Dados do empreendimento: nome e CNPJ;
  • Missão da empresa: qual é a razão de existência dela;
  • Setores de atividades (Ex.: comércio, agropecuária, indústria, serviço, entre outros)
  • Forma jurídica: como o negócio vai ser tratado pela lei (Ex.: Microempreendedor Individual)
  • Enquadramento tributário: onde a empresa está inserida em relação ao pagamento de tributos (Ex.:Simples Nacional);
  • Capital social: todos os recursos disponibilizados pelos sócios para a criação da empresa;
  • Fonte de recursos: de onde virão os recursos necessários para a implantação do negócio (próprio, de terceiros ou ambos);

Análise de mercado

A análise de mercado pode ser considerada a parte mais importante na hora de montar seu plano de negócios, pois de nada adianta todo o planejamento de criação do empreendimento se você não tiver clientes.

Para isso, é preciso fazer a análise dos clientes, dos concorrentes e dos fornecedores.

Perfil dos clientes

Se seus clientes forem pessoas físicas, procure descobrir:

  • Qual é a faixa etária?
  • Qual a maioria: feminina ou masculina?
  • Onde trabalham?
  • Quanto ganham?
  • Qual o nível de escolaridade?
  • Onde moram?

É importante também descobrir o perfil comportamental dos clientes. Ou seja, onde eles costumam comprar esse tipo de produto, de quanto em quanto tempo compram, qual preço costumam pagar e qual é o fator decisivo da compra (preço, marca, qualidade, atendimento, prazo de pagamento etc).

Caso seus clientes sejam empresas, é preciso entender outros pontos:

  • Qual é o rama de atuação?
  • Quais serviços/produtos eles oferecem?
  • Qual é o tamanho da empresa?
  • Há quanto tempo estão no mercado?
  • Eles possuem uma boa imagem no mercado?

Vale lembrar que essas perguntas não são fixas, elas devem ser adaptadas à realidade da sua empresa. O importante é não deixar de fora informações importantes sobre o mercado.

Perfil dos concorrentes

Na hora de montar um plano de negócios também é preciso considerar o perfil dos concorrentes.

Primeiro enumere quem são os seus principais concorrentes, depois descubra:

  • Quanto eles cobram no produto/serviço?
  • Quais são as condições de pagamento?
  • Onde eles estão localizados?
  • Como é o atendimento prestado?
  • Qual o horário de funcionamento?

Depois disso, pense com sinceridade se a sua empresa está apta a competir com essas e porquê os clientes deveriam escolher a sua ao invés da concorrência. Tudo isso deve ser descrito e explicado no seu plano de negócios.

Perfil dos fornecedores

Nessa fase é preciso elencar quem serão seus fornecedores, tanto de matéria-prima, quanto equipamentos, ferramentas, mercadorias e até serviços.

Portanto, pesquise bem quais serão os fornecedores certos para você. Saiba o preço, o prazo de entrega, a qualidade dos produtos etc.

Além disso, é preciso manter um cadastro atualizado dos seus fornecedores para entender como eles atuam.

Plano de Marketing

Na hora de montar um plano de negócios também é preciso pensar no seu plano de marketing, que envolvem 4 P’s: produto, preço, promoção e praça.  

Na parte do produto, descreva os principais produtos que serão fabricados, os tamanhos, cores, sabores, rótulos, etc. Se necessário, fotografe os produtos e documente esses modelos.

Na hora de falar do preço, pense em quanto o consumidor estará disposto a pagar no seu produto/serviço. Para isso vale a pena pesquisar quanto a concorrência está cobrando.

Leve também em consideração o preço de custo e quanto lucro você deseja obter com cada venda.

Não se engane: promoção no marketing não é sinônimo de desconto. Promoção aqui é toda a forma de informar ao público sobre o seu produto. Nela se enquadram propagandas em rádio, TV, panfletos, participação em eventos, catálogos e até amostras grátis.

No item “praça” são especificadas as formas de distribuição do produto. Como eles chegarão até os seus clientes? Haverá vendedores internos? Externos? Representantes? Revendedores? Tudo isso precisa estar especificado no seu plano de marketing.   

Plano Operacional

O plano operacional define como a empresa funcionará, ou seja, como ela vai desenvolver e distribuir seu produtos.

É hora de colocar no papel todos os passos necessários para que empresa execute com sucesso o que se programou para fazer.

Algumas perguntas podem te ajudar a identificar todas essas necessidades. São elas:

  • Quantos funcionários serão necessários para o funcionamento da empresa?
  • Onde trabalhará cada pessoa da sua empresa?
  • Quais são os equipamentos necessários para cada etapa?
  • Quais serão os processos principais da organização?
  • Quais ferramentas auxiliarão esses processos?

Não tenha medo de colocar coisas demais no seu plano operacional. Esse é o momento de detalhar cada passo, tudo o que auxiliará para que o seu produto final seja entregue com qualidade para o cliente.

Plano Financeiro

É claro que não poderia ficar de fora do nosso guia para montar um plano de negócios a parte financeira do empreendimento.

Para elaborar o plano financeiro é necessário definir qual será o investimento fixo, o capital de giro e os investimentos pré-operacionais (aqueles necessário para que a empresa comece a funcionar).

Após estimar esses valores, defina como será feito esse investimento. Isto é, se será através de recursos próprios, de terceiros ou ambos.

O planejamento financeiro também deve conter a estimativa de faturamento mensal da organização. Esse ponto é importante pois é um indicador de sucesso da empresa, além de ajudar na hora de conseguir investidores.  

Uma forma simples de descobrir a estimativa de faturamento mensal é multiplicando o valor dos produtos pela quantidade de produtos que pretende-se vender.

Outro dado importante é a estimativa de valor gasto com matérias-primas, terceirização e comercialização.

Após prever todos os gastos e recebimentos da empresa, é possível estimar os resultados do negócio. Algumas fórmulas vão ajudar nessa projeção:

  • Lucratividade = Lucro Líquido x 100 / Receita Total
  • Rentabilidade = Lucro Líquido x 100 / Investimento Total
  • Prazo de Retorno do Investimento = Investimento Total / Lucro Líquido

Peça ajuda para criar seu Plano de Negócios!

Montar um plano de negócios não é tarefa fácil, mas é indispensável na hora de montar seu próprio negócio. É ele que vai mostrar numericamente as reais chances dela dar certo.

Por isso, não tenha medo de pedir ajuda na hora de montar seu plano de negócios. Contratar uma empresa de consultoria pode fazer uma grande diferença nessa hora. Clique no banner abaixo para falar com nossos consultores e entender como a Mais Consultoria pode te ajudar:

Banner para contato no artigo "Plano de Negócios"

Fluxo de caixa: passos para criar a estratégia perfeita

Para que uma empresa não precise passar por apertos financeiros é indispensável que haja um controle do fluxo de caixa. É através dele que é feito um gerenciamento das entradas e saídas de dinheiro da organização. A partir disso, é possível identificar a situação financeira atual do negócio.

Mas, engana-se quem acredita que basta anotar os gastos e a receita da empresa. O fluxo de caixa vai muito além. E, para te ajudar nessa empreitada, que tal conferir algumas estratégias infalíveis para controlar da melhor forma as suas movimentações financeiras? É isto que este artigo traz para você.

O que é fluxo de caixa

Para ter um fluxo de caixa controlado é claro que o primeiro passo é saber o que ele significa. O fluxo de caixa é um instrumento essencial para uma gestão financeira, visto que é através dele que a realidade financeira da empresa pode ser visualizada.

Ele controla todas as entradas e saídas de recursos do caixa. Ou seja, dados sobre recebimentos, pagamentos, vendas e gastos devem ser rigorosamente registrados na ferramenta.

Vale ressaltar que o fluxo de caixa não tem limites de valores. Isto é, por menor que seja o gasto ou a receita, é fundamental que ela conste no instrumento.

Benefícios de ter o fluxo de caixa como aliado

Além de projetar a momento financeiro da organização, a ferramenta também funciona como um planejamento organizacional. Ou seja, por meio dela é possível identificar a situação futura da empresa e, dessa forma, planejar estratégias para serem aplicadas de acordo com a situação.

Por exemplo: imagine que através da análise, você conseguiu identificar que o recebimento por vendas do próximo mês não será suficiente para cobrir os gastos. Por ter descoberto com antecedência, as chances e o tempo para conseguir formas de reverter a situação são maiores, certo?

Agora imagine que ao analisar a ferramenta você identificou que o próximo mês será bem positivo e que vai haver uma folga financeira. Com essa notícia, você pode criar uma estratégia para atrair mais clientes, como lançar uma promoção ou liquidação.

Conseguiu perceber que o fluxo de caixa vai muito além do controle financeiro? Ele dá a você a visão atual e futura do negócio, permitindo que você tome as decisões mais certeiras.

Fluxo de caixa: passos para um controle certeiro

Para que o fluxo de caixa funcione como uma bússola financeira e faça a previsão orçamentária de forma correta, é preciso seguir alguns passos. São eles:

  • Separe as saídas de dinheiro em categorias

Não basta simplesmente registrar o valor das saídas de dinheiro. É preciso especificar o destino do recurso. Para isso, existem três categorias: fornecedores, despesas e outras saídas.

Em despesas há uma subdivisão: administrativas, que são gastos como conta de telefone, internet e salários. Comerciais, que são gastos com marketing e comissões. E financeiras, como multas e juros, por exemplo.

  • Separe as entradas de dinheiro em categorias

Já as entradas precisam ser registradas na ferramenta acompanhadas de sua origem. Isto é, vendas, pagamentos à vista e pagamentos a prazo.

  • Saldo negativo: encontre estratégias para reverter a situação

Antes de tudo, vale ressaltar que saldo negativo não significa prejuízo. Na verdade, significa que tem saído mais dinheiro do que entrado. E, dessa forma, surge o alerta de que a sua gestão financeira precisa ser otimizada.

Caso a conta “entrada menos saída” seja frequentemente negativa, é necessário encontrar uma estratégia para reverter a situação. Fazer uma negociação maior com os fornecedores e definir um menor prazo para os clientes pagarem, são táticas que dão certo, na maioria das vezes.

  • Fim de expediente = fechar o caixa

Independentemente do tamanho da empresa, o expediente de trabalho só pode ser encerrado depois de fechar o caixa. Ou seja, para concluir o dia de trabalho, é preciso conferir tudo que entrou e saiu no caixa naquele dia.

A Mais pode te ajudar

Certamente este artigo mudou bastante a sua visão à respeito do fluxo de caixa. E o que já está bom pode ficar ainda melhor. Quer uma ajuda de como aplicar na prática o fluxo de caixa a favor do seu negócio? A Mais Consultoria Jr. pode te ajudar. Clique aqui e fale com um de nossos consultores.  

Gestão Empresarial: faça o teste e aumente seus lucros

Se a sua empresa está passando por alguma fase complicada o primeiro passo para reverter a situação é identificar qual é e onde está a raiz deste problema. Além disso, para aumentar os lucros e se destacar no mercado é preciso aprimorar os processos logísticos da sua empresa e exercer uma Gestão Empresarial de qualidade.

Por mais que pareça difícil se livrar de um problema da sua gestão, saiba que a solução existe. O ponto-chave, como já mencionado acima, é identificar a origem dele para, dessa forma, aplicar um processo de Melhoria Contínua específico.

 

Projetos para a Melhoria Contínua da Gestão Empresarial

 

gestão empresarial

 

A  Mais Consultoria Jr. é uma empresa que atua no mercado proporcionando soluções únicas de redução de custos e Melhoria Contínua. Para isso,  ela realiza alguns projetos personalizados. No artigo de hoje serão abordados três deles: Otimização de Recursos, Gestão Financeira e Gestão Estratégica. Cada um deles atua em áreas específicas com o intuito de solucionar problemas e otimizar processos.

 

Quer saber qual deles pode ajudar na evolução da sua Gestão Empresarial? Temos um teste que te dá a resposta em pouquíssimos minutos. Então continue a leitura para ter acesso a ele. Porém, que tal conhecer um pouco sobre cada um deles antes? Vamos lá!

 

Otimização de Recursos

 

Para evitar o desperdício dentro da sua organização, seja de matéria prima, tempo, dinheiro e pessoas, é preciso ter processos bem planejados e executados. É neste ponto que a Otimização de Recursos torna-se fundamental para a empresa melhorar a produtividade e alcançar os melhores resultados.

Planejamento e Controle da Produção, Kaizen e Gestão de Estoque são algumas das ações implantadas na Otimização de Recursos.

Confira a seguir alguns problemas que comumente são resolvidos com a aplicação da Otimização de Recursos:

  • Processos inchados, por exemplo: muitas pessoas para a mesma função, muito retrabalho e pouca objetividade.
  • Falta de atendimento ágil.
  • Dinheiro parado (muito estoque)
  • Tempo de produção maior que o necessário (equipe pouco produtiva).

 

Gestão Estratégica

 

Para estabelecer no Mercado, tornar mais competitivo e expandir o negócio, é necessário definir diretrizes e objetivos estratégicos. Dessa forma, a Gestão Estratégica atua na organização definindo metas, analisando ambiente interno e externo e elaborando planos de ação para a melhoria dos resultados.

Para melhorar a estratégia da sua empresa, a Mais implanta ações como Gerenciamento pelas Diretrizes, Planejamento Estratégico e Gestão para Resultados.

Veja a seguir alguns problemas que comumente são resolvidos com a aplicação da Gestão Estratégica:

  • Não ter posicionamento no mercado.
  • Não conhecer o cliente a fundo.
  • Estagnação/ Declínio no mercado.
  • Não estar aumentando as vendas.

 

Gestão Financeira

 

Ter uma Gestão Financeira é fundamental para a tomada de decisão em relação a novos investimentos e balanço financeiro favorável. Portanto, possuir um financeiro saudável é o primeiro passo para o sucesso.

A Mais pode ajudar a Gestão Financeira da sua empresa por meio de Análise de Custos, Planos de Ação para redução de custos e Precificação.

Confira a seguir alguns problemas que comumente são resolvidos com a aplicação da Gestão Financeira:

  • Não saber onde pode haver redução de custos.
  • Não ter os melhores dados para precificar e deixar o orçamento mais agradável.
  • Não ter tomada de decisão para investimento, devido à falta de estabilidade financeira.
  • Baixa remuneração.

Faça o teste!

Com base nos problemas apresentados, conseguiu identificar qual é o serviço ideal para a melhoria contínua da sua Gestão Empresarial? Então chegou a hora de ter a confirmação através do nosso Quiz. Clique aqui para responder as perguntas.

Como vencer a crise financeira: estratégias das grandes empresas

No mundo empresarial, é comum os gestores fecharem as portas do próprio negócio por estar no vermelho e não saber como reverter a situação. Se a sua empresa está passando por momentos de crise, este artigo pode te ajudar. Veja dicas de como vencer a crise financeira com estratégias utilizadas pelas grandes empresas.

Como vencer a crise financeira?

A crise financeira surge de uma gestão mal planejada ou de momentos como o que vivemos agora, da COVID-19. Confira abaixo as principais dicas para vencer esse momento:

Identifique os problemas

Depois de reconhecer que o seu negócio está passando por uma crise econômica, é hora de identificar onde se encontram os problemas. Para isso, analise o fluxo de caixa e encontre tudo o que há de errado.

Para um melhor controle é indispensável contar com um sistema de gestão. Com ele, as informações podem ser extraídas com mais facilidade. Além disso, caso a sua empresa tenha algum responsável pelas finanças, é importante contar com ele nesse processo.

Jogue limpo sobre as dívidas

Após identificar os problemas, certamente, você saberá para quem você está devendo. Bancos, funcionários ou fornecedores. A melhor alternativa é ser sincero e explicar a real situação do negócio. Em seguida, tente negociar o pagamento das dívidas com valores que estejam ao seu alcance econômico. Como os credores preferem receber aos poucos do que não receber, provavelmente, eles aceitarão a sua proposta.

Corte custos desnecessários

Sempre existem, nas empresas, algumas funções que servem apenas para gerar gastos. Portanto, analise os processos e veja quais delas não são necessárias para o funcionamento do negócio. Depois de identificá-los, o próximo passo é cortá-las.

Além disso, algumas despesas como luz, telefone e água podem ser significativamente, reduzidas. Principalmente se houver a colaboração de toda a equipe.

Não confunda finanças pessoais com finanças da empresa

Um erro muito comum no mundo dos negócios, é o fato dos gestores confundirem as finanças pessoais com as finanças da organização. Isso é extremamente prejudicial e pode fazer com que a sua empresa afunde ainda mais nas dívidas. Portanto, faça uma divisão entre as finanças das duas áreas para que a situação se resolva.

Redefina um plano de negócios

O próximo passo é traçar estratégias que te auxiliarão a conquistar a estabilidade financeira. Para isso, redefina um plano de negócios com novas metas e novos objetivos.

Vale ressaltar que a definição deve ser feita respeitando a realidade econômica enfrentada pela organização. Essa é uma fase muito importante e ter um plano de negócios bem estruturado faz toda a diferença.

Dobre o seu esforço

A última dica, mas não menos importante, é: dobre o seu esforço: Para sair do vermelho e voltar a crescer, o gestor precisa trabalhar dobrado. Por exemplo, se já é feito um controle do fluxo de caixa, o ideal é que esse controle seja feito com ainda mais intensidade.

Recorra à ajuda

Além de seguir todas as dicas dadas acima, também é possível contar com o suporte de pessoas especializadas em gestão de negócios. A Mais Consultoria Jr. é um exemplo.

Ela é composta por profissionais competentes e habilitados para elaborar seu plano e fazer com que sua empresa cresça novamente. Clique no banner abaixo e fale com um dos nossos consultores:

Banner no artigo "Como vencer a crise financeira" para solicitar proposta da Mais Consultoria

Startup de sucesso: como se tornar uma

Muitas pessoas sonham em ter seu próprio negócio e buscam em suas ideias algumas inspirações de negócio. É a partir daí que surgem as startups, mercado empreendedor que tem crescido cada vez mais.

Investir em um mercado que tem a inovação como princípio é visto por muitos como um grande desafio. Mas, aqueles que se arriscam e encontram o caminho certo conseguem colher grandes resultados com uma startup de sucesso.

Imagine o quanto deve ser desafiador investir em um negócio que tem como funcionalidade o pedido e a entrega de refeições via aplicativo? Assim funciona o iFood, uma startup de grande sucesso no Brasil, que exigiu muita coragem do seu idealizador para que chegasse no patamar atual.

Se você teve, no mínimo, a curiosidade de acessar este artigo, provavelmente, o empreendedorismo é uma área que chama a sua atenção. E para aumentar ainda mais o seu interesse, que tal conferir dicas infalíveis para dar início a uma startup de sucesso? Veja só:

 

Primeiro passo: análise da ideia

 

Toda startup parte de uma ideia. Mas como uma simples ideia não garante a consolidação e o sucesso de nenhum negócio, é importante analisar alguns aspectos antes de explorar o mercado. Portanto, atente-se às dicas:

  • Estabeleça um mercado de atuação e entenda em qual ramo de atividade o seu negócio vai estar inserido.

 

  • Busque inspiração e conhecimento em materiais sobre empreendedorismo e inovação. Além disso, procure conversar com pessoas que já estão inseridas no mercado em que você pretende atuar.

 

  • Veja se a sua realidade financeira é viável para investir no modelo de negócio que você está idealizando.

 

  • Pesquise os melhores preços para que o investimento inicial não seja alto. Isso contribui com o crescimento do negócio.

 

  • Descubra se existe alta concorrência no setor que você pretende se inserir. Caso exista, é melhor reavaliar a ideia ou pensar em um diferencial que faça com que o seu negócio se destaque meio aos demais.

 

  • Qual será o seu público-alvo? Defina o segmento de clientes que será o foco da sua empresa.

 

  • Estabeleça o canal pelo qual o cliente vai adquirir o seu produto ou serviço.

 

Parabéns! A sua ideia é ótima. Próximos passos

 

Com as dicas dadas acima, é possível identificar a capacidade de criar uma startup de sucesso com a sua ideia. Depois de ter concluído bem a primeira fase, é hora de colocar a mão na massa e validar o seu negócio. O trabalho não para por aqui. Veja mais dicas:

 

  • Trace um plano de marketing. Com ele é possível captar clientes, aumentar as vendas e a lucratividade da empresa.

 

  • Tenha em mente – e registrado – quais são as oportunidades, ameaças, forças e fraquezas do seu negócio. Para isso, use a Análise SWOT ao seu favor. Clique aqui e tenha acesso gratuito à planilha de Análise SWOT.

 

  • Crie um planejamento estratégico bem estruturado. Nele é preciso estar todas as informações importantes da empresa, como visão, missão, valores, objetivos, entre outros. Veja aqui o guia completo de como montar um PE sem erros.

 

  • Tenha três grandes princípios em sua cultura organizacional: criatividade, inovação e valorização da equipe. Eles fazem toda a diferença para o negócio. Os dois primeiros fazem com que você tenha destaque no mercado. O terceiro é indispensável para que o seu produto e serviço tenha a melhor qualidade possível.

 

Conheça mais sobre a área financeira

 

A falta de maturidade dos empreendedores em relação à gestão financeira da empresa e a falta de controle dos gastos são problemas que atrapalham o crescimento de qualquer empresa. Para dominar a área financeira do seu negócio é preciso entender onde o seu dinheiro está sendo aplicado. Ou seja, quais são os custos e as despesas da empresa.

Portanto, para um bom gerenciamento do negócio, é muito importante que o empreendedor saiba diferenciar custos de despesas. O ponto em comum entre os termos é que os dois fazem parte da categoria “gastos” da empresa. Já o que os difere é o direcionamento que cada um deles recebe. Entenda mais:

Custos são os gastos com a fabricação do produto ou da prestação de serviços.

Despesas são os gastos com as áreas administrativas e comerciais. Por exemplo, com comissões, aluguel, luz, água e telefone.

Para diferenciá-los, basta entender: sem esse gasto é possível ter seu produto ou serviço pronto para ser comercializado? Se a resposta for não, então conte como custo. Caso contrário, conte como despesa.

 

Otimize ainda mais a sua empresa!

Quer garantir ainda mais a qualidade do seu negócio? Conte com o auxílio de pessoas capacitadas para otimizar os processos da sua empresa e te mostrar as diretrizes de um excelente gerenciamento. Clique aqui para falar com um consultor da Mais Consultoria Jr. e se tornar uma startup de sucesso.

Gestão Financeira Pessoal: 7 erros que te impedem de enriquecer

Você já ouviu falar sobre Gestão Financeira Pessoal? O termo pode parecer complexo, porém é mais simples do que você imagina. Sem contar que ele pode fazer toda diferença na sua qualidade de vida.

As pessoas trabalham com o objetivo de ganhar dinheiro para suprir as necessidades. Mas é muito comum que elas tenham dificuldade para gerenciar as finanças e, por isso, caem no endividamento.

É para que isso não aconteça que existe o planejamento financeiro pessoal. Você controla todas as suas movimentações? Se a resposta foi não, atenção: a falta de controle é o primeiro sinal de alerta!

Gastar mais do que ganha e consumir sem necessidade são alguns dos erros que muitas pessoas cometem. E o pior é que elas só se dão conta quando a corda já está no pescoço. Para que essa não seja uma realidade sua, veja os principais erros que impedem que você cresça financeiramente e como se livrar deles.

1. Comprometer o salário antes de receber

Fazer compras a prazo e comprometer uma quantia mesmo antes de ter o dinheiro em mãos é uma das principais falhas. Isso te impede de planejar o seu orçamento de forma correta e aumenta as chances de estar gastando mais do que deveria.

Portanto, a dica é: controle a impulsividade e aguarde o recebimento do salário. Quando recebê-lo, priorize o pagamento das despesas e, em seguida, sinta-se livre para gastar o que sobrou com o que quiser.

2. Não optar por pagamento à vista

A maioria das pessoas tem o hábito de dar preferência às compras a prazo. Porém, na gestão financeira pessoal, essa atitude impossibilita o acompanhamento das finanças. Sem contar que as parcelas comprometem o orçamento a longo prazo.

Portanto, para controlar e organizar suas finanças, dê prioridade para compras à vista. Principalmente quando a mercadoria não é uma necessidade. Mas, caso o cartão de crédito seja a única saída, opte por um número menor de parcelas.

3. Gastar mais do que ganha

Ver pessoas desesperadas pela chegada do quinto dia útil é muito comum, não é mesmo?! Isso acontece porque a maioria delas gasta todo o salário nas primeiras semanas e termina o mês sem dinheiro, precisando, muitas vezes, recorrer a empréstimos.

É claro que grande parte da população já gastou mais do que ganha pelo menos uma vez. O grande problema é permitir que isso vire rotina. O acúmulo de dívidas leva apenas a um caminho: o endividamento.

Portanto, para evitá-lo, é importante fazer um controle financeiro pessoal e analisar o quanto você ganha e quanto tem gastado.

4. Realizar gastos supérfluos e desnecessários

Quantas vezes você foi influenciado por promoções, descontos e ofertas? Esse é um dos maiores estímulos que levam ao consumo exagerado e fazem com que as pessoas gastem mais do que ganham.

A única forma de evitar o consumismo é definir o que realmente é necessário para você. Isso não quer dizer que é uma obrigação comprar apenas itens de primeira necessidade. Mas sim que é preciso consumir conscientemente.

gestão financeira pessoal

5. Não anotar as movimentações

Com certeza esse é o ponto-chave de uma gestão financeira pessoal. Registrar todas as movimentações, as despesas e receitas, é essencial para manter uma vida financeira saudável.

E não pense que sua mente é boa o suficiente para guardar todos os gastos. Para que você possa entender e acompanhar o destino do seu dinheiro, as anotações são indispensáveis. Seja em caderneta ou plataformas online, o importante é utilizar algum meio de controle das finanças.

6. Não priorizar as principais despesas

O que vale mais a pena para você: viagem ou casa própria? Não definir prioridades é mais um dos erros que travam o seu crescimento financeiro.

Portanto, defina quais são as suas necessidades e, através delas, trace um objetivo financeiro. Ao definir o destino de uma quantia de dinheiro você passa a escolher os melhores investimentos.

7. Não ter reserva de emergência

Se hoje surgisse uma despesa inesperada e urgente, você teria dinheiro para sustentá-la ou precisaria recorrer a empréstimo? A segunda opção é a realidade de muitas pessoas em acontecimentos como perda de emprego, doença ou acidente. Para que não seja a sua, o ideal é que você guarde uma quantia todo mês como reserva de emergência.

Programe-se para usar a gestão financeira no seu dia a dia!

Percebeu o quanto a gestão financeira pessoal pode ser útil para você? A partir do momento que você criar o hábito de planejar suas finanças, a sua qualidade de vida tende a prosperar.

Você também pode se interessar por:

Pesquisa de Clima Organizacional: o que é e como aplicar?

Provavelmente você já ouviu falar sobre Pesquisa de Clima Organizacional, mas talvez não saiba a fundo do que se trata ou então como aplicá-la. Ela é utilizada nas organizações com o objetivo de identificar como seus funcionários enxergam o ambiente interno de trabalho. Sabendo da importância desse método, o artigo de hoje traz as principais informações acerca do assunto. Portanto, continue a leitura e adquira conhecimento.

 

O que é Pesquisa de Clima Organizacional?

 

Para dar início ao assunto, é importante explicar o que é Pesquisa de Clima Organizacional. É uma ferramenta para gestão de pessoas. Ela é utilizada em empresas de todas as dimensões com o intuito de coletar, por meio de depoimentos e respostas a questionários, informações relevantes sobre a percepção e a satisfação dos funcionários em relação ao ambiente interno da empresa.

 

Você tem no seu time de funcionários pessoas com baixo rendimento e pouca produtividade? Com a Pesquisa de Clima Organizacional é possível descobrir se a causa desses problemas está no próprio ambiente de trabalho. Por exemplo, muitas pessoas têm dificuldade de produzir em um ambiente com muito barulho. O que pode ser facilmente identificado com a aplicação da pesquisa.

 

Por que tão importante?

 

Apesar de ser um método muito utilizado, algumas pessoas ainda se perguntam por que o investimento em funcionários é tão importante. Primeiramente, tenha em mente que eles são os principais patrimônios do seu negócio. Além disso, investir naqueles que fazem o seu negócio acontecer é também investir no desempenho, satisfação e produtividade dos mesmos.

 

Ou seja, é um investimento que reflete diretamente nos resultados da organização. Portanto, quer ter produtos/serviços que agradem ao cliente? Tenha uma equipe motivada a realizar os processos da melhor forma possível. Como apontado por um estudo, a motivação pode aumentar a produtividade dos funcionários em até 50%.

 

Percebeu que a pesquisa de clima organizacional vai muito além de agradar seus colaboradores? Com sua implementação é possível otimizar diversos setores da sua empresa, inclusive o Financeiro.

 

Devido aos inúmeros compromissos, os gestores, na maioria das vezes, não conseguem acompanhar e, consequentemente, controlar tudo que acontece dentro da organização. Isso torna a adesão à pesquisa ainda mais essencial. Por meio dela é possível manter uma comunicação entre chefes e funcionários, além de avaliar o grau de satisfação em relação à empresa. Com a avaliação, é possível identificar os pontos de falha do negócio e, dessa forma, mudar o cenário em busca da melhoria contínua.

 

Após entender o que é pesquisa de clima e conhecer as vantagens da aplicação da mesma no seu negócio, chegou o momento de saber como colocá-la em prática.

 

Colocando a Pesquisa de Clima Organizacional em prática

 

O primeiro passo é ter em mente o motivo da aplicação do questionário e o que você pretende fazer a partir dos resultados obtidos. Em seguida, defina objetivos a serem cumpridos e avalie se eles podem ou não ser alcançados por meio de uma pesquisa de clima organizacional.

 

Feito isso, é hora de decidir o modelo do questionário, se serão perguntas abertas ou múltipla escolha, por exemplo. Além disso, defina também o meio que será utilizado para a aplicação. Pesquisa online ou presencial?

 

Vale lembrar que o questionário não deve se limitar a críticas e queixas apenas. Ele pode ser também um espaço que leva o colaborador a refletir sobre os pontos fortes e positivos da empresa.

 

Elaboração das perguntas

 

Questionário ilustrando a elaboração de perguntas de uma pesquisa de clima organizacional

 

As perguntas devem ser elaboradas de acordo com o objetivo central do questionário. Por exemplo, caso você queira compreender o que tem causado a baixa produtividade dos seus funcionários, aplique questões como:

 

1) Você sente que as conversas e barulhos têm atrapalhado você no ambiente de trabalho?

 

(  ) muito    ( ) médio   ( ) nada

 

2) Você sente que o seu trabalho está sendo cansativo e estressante?

 

(  ) muito    ( ) médio   ( ) nada

 

3) Os processos realizados por você dentro da empresa estão bem organizados e alinhados?

 

muito    ( ) médio    ( ) nada

 

Análise dos dados colhidos na Pesquisa de Clima Organizacional

 

Após a coleta dos questionários, é o momento de analisar as informaçõesinterpretar as estatísticas das respostas. Com esses pontos, será possível estabelecer qual caminho seguir em busca da transformação.

 

Em seguida, reúna-se com os tomadores de decisão da sua empresa e trace planos de ação para resolver os problemas. É extremamente importante que os funcionários se sintam importantes e ouvidos. Portanto, apresente a eles um relatório com os resultados colhidos para que, dessa forma, eles reconheçam a importância da pesquisa de clima.

Mais uma solução para você

O ideal é aplicar o questionário de pesquisa periodicamente para melhorar cada vez mais a satisfação dos funcionários. E você, já implementou a pesquisa de clima no seu negócio mas, mesmo assim, ainda sente que existem processos com falhas? Fale com um dos consultores da Mais Consultoria e encontre a solução.

3 funcionários, entre computadores e papeis, trabalhando. Ilustrando o banner "entre em contato" do artigo "Pesquisa de Clima Organizacional"!

Gestão Imobiliária: como otimizar processos e reduzir custos

Compra, venda, locação e financiamento de condomínios são alguns dos processos cotidianos do setor imobiliário. A complexidade e seriedade de tais processos fazem com que os serviços sejam burocráticos e que haja acúmulos de tarefas. Então, como garantir o desenvolvimento contínuo paralelamente à redução de custos? A resposta é simples: aplique a gestão imobiliária.

 

O que é Gestão Imobiliária?

 

É o conjunto de práticas que são aplicadas com o intuito de manter o crescimento sustentável de uma organização. A sua aplicação é indispensável para o setor imobiliário que sofre com os altos e baixos do mercado. Ou seja, ela funciona como um antídoto às surpresas do mercado imobiliário que, de alguma maneira, poderiam atingir a empresa.

 

Além disso, a gestão imobiliária é o caminho para o objetivo de todas as organizações: crescer cada vez mais, sem precisar aumentar os custos. O que pode ser conquistado com a otimização de processos.

 

Como otimizar processos e reduzir custos com a Gestão Imobiliária

 

Com tudo que foi mencionado acima, é possível afirmar que uma empresa que tem uma gestão imobiliária ativa e eficiente, certamente tem destaque positivo no cenário imobiliário. É para que a sua empresa seja uma delas que este artigo traz dicas de como otimizar processos e reduzir custos, aplicando a gestão imobiliária no seu negócio.

Consequências da ausência de Gestão Imobiliária

 

Mas, antes das dicas, é importante conhecer algumas das consequências da falta de uma gestão imobiliária em uma empresa. Pode ser que você descubra, através delas, o que está travando o desenvolvimento do seu negócio. Vamos lá?!

 

Atrasos: desde a entrega atrasada das chaves para o inquilino até a demora do agendamento dos serviços de manutenção, são problemas que tendem a prejudicar a reputação da empresa. Por isso, é importante encontrar meios de otimização de tempo que garantem a qualidade do atendimento.

 

Serviços com preços elevados:  Engana-se quem acredita que as pessoas só levam em consideração o atendimento e o reconhecimento da empresa no mercado. O preço é um dos maiores motivos que levam à assinatura de um contrato. As pessoas pesquisam e, ao comparar valores, geralmente optam por fechar negócio com a imobiliária que tem o preço mais atrativo. Portanto, aplique processos que favoreçam o baixo custo dos serviços para garantir sua competitividade.

 

Insatisfação dos clientes: É claro que essa consequência surge através das outras citadas acima. Lembre-se que o cliente é o ponto principal do crescimento de uma organização. Portanto, agradá-lo e fidelizá-lo devem ser objetivos primários. Caso contrário, cuidado: ele tem o poder de mudar a imagem da sua empresa com informações negativas.

 

Estratégias de otimização de processos e redução de custos

 

A otimização de processos gera diversos benefícios para qualquer empresa. Entre eles está a redução de gastos, de erros e de tempo para a realização das tarefas. Para que a sua empresa tenha esses resultados, é preciso aplicar algumas estratégias. Veja quais são elas:

 

Identificação dos pontos de melhoria

 

O primeiro passo é identificar quais são os pontos que estão travando a evolução do negócio. Ou seja, é necessário achar a raiz do problema que atrasa o serviço, que encarece o produto e que desagrada o cliente. Feito isso, é o momento de entender como colocá-los a favor da organização.

 

Gestão financeira

 

Para evitar crises, é preciso saber onde e como aplicar os recursos financeiros do negócio imobiliário. Portanto, mantenha a empresa alinhada às tendências do mercado e, de acordo com isso, identifique a área que, no momento, o investimento é essencial. Além disso, corte gastos desnecessários e esteja preparado para imprevistos. Para essas ações, é importante contar com um planejamento financeiro.

 

Planejamento Estratégico

 

A importância do Planejamento Estratégico não é novidade, principalmente para os gestores. Porém, mais importante do que saber que é um processo importante, é colocá-lo para funcionar. É necessário ter missão, visão e valores bem definidos, da mesma forma que é importante estabelecer projetos para curto, médio e longo prazo. Isso é favorável à empresa em vários aspectos. Inclusive, é um estímulo para que os funcionários mantenham o foco no trabalho.

 

Organização de processos

 

As imobiliárias gerenciam finanças e documentos de um volume elevado de pessoas. Isso exige uma organização minuciosa de toda documentação e de todos os processos cotidianos. Além disso, numa realidade em que a maioria das coisas está no “online” é importante considerar a substituição da documentação física por um sistema digital.

 

Mapeamento de processos

 

A última dica é uma das mais importantes: utilize o mapeamento de processos. Esta é uma ferramenta capaz de organizar e otimizar os processos, uma vez que identifica os pontos fracos e os problemas da organização.

 

Para te ajudar ainda mais,  a Mais Consultoria Jr. criou um Guia Definitivo dos principais métodos de otimização de processos e redução de custos. Clique aqui e saiba como as grandes empresas garantem o crescimento constante.

Case de Sucesso: WColor

 

A Mais Consultoria Jr. surgiu em 2003, no curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Juiz de Fora como empresa júnior. Toda a equipe da Mais é capacitada para otimizar os processos e reduzir os custos fixos de uma empresa. O desenvolvimento de projetos está ligado nas áreas de Estratégia e Organização, Gestão Financeira, Gestão de Produção e Qualidade. Além disso, os serviços são todos desenvolvidos e guiados por estudantes do curso, sob orientação de profissionais do setor.

O diferencial da Mais Consultoria Jr. é a prestação de serviços de consultoria organizacional de qualidade por um preço mais justo.

Todas as empresas que contratam os serviços de consultoria, conquistam resultados satisfatórios com a otimização de todo o processo e o alinhamento e resolução de todos os impasses acordados. Alguns resultados transformam por completo o funcionamento e o desempenho do negócio e estes, classificamos como Cases de Sucesso. Um exemplo é a empresa WColor.

A WColor é uma empresa de gráfica que está no mercado desde 2001. Desde então, eles confeccionam vários tipos de impressos, como catálogos, revistas, panfletos, folders, flyers, entre outros. Por isso, os gestores prezam pela agilidade e pela qualidade do serviço. Portanto, para aprimorar os resultados foram contratados os serviços da Mais e, juntos, traçamos alguns objetivos a serem cumpridos, à partir da consultoria realizada por nós. São eles:

  • Melhor organização do fluxo produtivo;
  • Melhor definição dos estoques intermediários;
  • Melhor organização do espaço;
  • Maior produtividade;
  • Maior atendimento dos pedidos no prazo.

Estruturação da Produção

O processo de estruturação durou em torno de 4 semanas. Primeiramente, a equipe coletou todas as informações do fluxo produtivo, percepções dos funcionários e medidas do espaço, máquinas e equipamentos. A partir de então, foram elaboradas três alternativas de layout, levando em consideração os requisitos, com o intuito de otimizar a linha de produção.

Resultados Obtidos

Os planos e metas estabelecidos pela Mais foram traçados e, em seguida, aplicados na metodologia da WColor. Com isso, os processos administrativos foram otimizados, gerando bons resultados. Listamos alguns deles abaixo:

  • Redução de 70 metros na movimentação dos funcionários para um fluxo de movimento;
  • Redução de 30% no tempo dos funcionários para um fluxo de movimento;
  • Aumento de 42% na quantidade de fluxo de movimentos que podem ser feitas com o tempo reduzido, considerando que são realizados 10 fluxos de movimento por dia.

Quer saber se está na hora de contratar um serviço de Engenharia de Produção para otimizar os processos da sua empresa? Confira aqui alguns indícios.

 

 

Como ter uma linha de produção de qualidade e excelência?

Todo consumidor procura por produtos e serviços que atendam suas necessidades e expectativas. Isso reflete diretamente na qualidade daquilo que é comercializado. São diversos os processos que garantem essa qualidade, entre eles a linha de produção de uma empresa.

 

Até o início do século XX a atividade industrial era basicamente comandada pelos métodos artesanais. Isso fazia com que toda produção fosse lenta e demorada. Foi a partir da necessidade de mudar esse cenário que surgiu a produção em massa, aplicada na fabricação de automóveis, por Henry Ford.

 

O método tem como base dois princípios. O primeiro deles é a divisão do trabalho. Ou seja, o processo de produção de um produto é dividido e cada funcionário é responsável por uma parte, desde o início até o produto final. O segundo princípio é a padronização das peças com o intuito de garantir a qualidade, o mesmo tamanho e a mesma cor.

 

A linha de produção é uma etapa importante para o bom desenvolvimento de peças e produtos. Devido à essa importância, o presente artigo traz dicas de como ter uma linha de produção de qualidade e excelência. Continue a leitura!

 

Importância da qualidade para garantir boa imagem

A exigência por qualidade e excelência no mercado tem crescido cada vez mais. Dessa forma, deve-se aumentar também a preocupação dos gestores em otimizar todos os processos e, assim, entregar um bom produto ao mercado. Principalmente pelo fato de que a imagem de uma organização está intimamente ligada a qualidade daquilo que ela comercializa.

 

Uma empresa com linha de produção bem estruturada gera impacto na satisfação dos clientes, na produtividade e, até mesmo, na redução de custos. Para essa estruturação, é preciso alinhar alguns pontos, como os citados a seguir:

 

Boa gestão

Para o bom andamento de todos os setores de uma organização, o primeiro ponto é uma gestão eficiente. Certamente um produto reconhecido por sua qualidade é produzido por uma empresa que é gerida por um bom líder.

 

Mas o que seria um bom líder? É aquele que tem visão de mercado, que se preocupa em inovar, que reconhece a importância de um RH e também de cada funcionário. Além disso, um bom gestor é aquele que sabe identificar e corrigir as falhas dos processos e estimular toda a empresa a buscar a eficiência.

 

Equipamentos eficientes

A linha de produção surgiu no mercado como uma solução para o ganho de tempo e, consequentemente, o aumento da produtividade. Mas produtividade vai muito além de funcionários ágeis. É preciso que as máquinas também estejam em excelente estado, para garantir o rendimento. Dessa forma, é essencial que os equipamentos passem por manutenção periodicamente.

 

Matéria-prima de qualidade

Um produto final só alcança a excelência se o seu processo produtivo contar com matérias-primas de qualidade. Caso contrário, o resultado comprometerá a boa imagem da empresa com o cliente que, além de reclamar e solicitar reparos, pode disseminar uma propaganda negativa da marca.

 

A satisfação do cliente deve ser sempre a prioridade de uma empresa, para que ela seja bem sucedida. Portanto, atender às expectativas do cliente é um ponto importante para criar laços fiéis.

 

Melhoria Contínua

O crescimento de uma empresa depende muito do acompanhamento de todos os processos. Para evitar o surgimento de falhas e problemas maiores, é essencial acompanhar periodicamente os resultados. Com isso, é possível identificar os erros e encontrar soluções. Você já ouviu falar de Kaizen? É uma metodologia que refere-se à melhoria contínua e que pode ajudar você neste processo de acompanhamento. Veja aqui.

 

A sua empresa já funciona dessa forma, mas mesmo assim não consegue crescer? O problema pode estar em outro lugar. A Mais Consultoria Jr. pode ajudar você a identificar o que está travando o crescimento da sua organização e aplicar melhorias capazes de mudar todo o cenário organizacional.