Empresa Júnior de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Juiz de Fora

Notícias

7 erros comuns no gerenciamento de riscos que você não pode cometer

O gerenciamento de riscos é uma parte importante da gestão de uma empresa, ele é responsável por prever possíveis problemas que possam ocorrer e definir formas de evitá-los.

O gerenciamento de riscos também auxilia as empresas a tomarem decisões mais estratégicas, garantindo o cumprimento do planejamento estratégico e o foco nos resultados.

E essa prática está presente no dia a dia de todo mundo. Quando você precisa atravessar a rua e olha para os dois lados antes de seguir caminho, você está gerindo riscos.

A diferença no ambiente empresarial é que esse processo não é tão intrínseco quanto checar se não vêm carros antes de atravessar, ele demanda um pouco mais de tempo.

A questão é que, mesmo o gerenciamento de riscos sendo algo indispensável para a gestão de uma empresa, as pessoas ainda cometem muitos erros ao fazê-lo.

No artigo de hoje vamos te mostrar 7 erros comuns no gerenciamento de riscos que você não pode cometer.

Se liga!

Não documentar o gerenciamento de riscos

O gerenciamento de riscos é um documento, ele não pode ficar só na fase das ideias ou no entendimento pessoal dos gestores.

É preciso que ele esteja documentado e arquivado em um lugar de fácil acesso aos funcionários, assim, quando necessário, todos saberão onde consultar.

Você pode por exemplo fazê-lo em formato de planilha do excel e mantê-lo no drive ou rede interna da empresa.

Não analisar todas os âmbitos

Outro erro comum é focar em apenas algumas partes da empresa e esquecer de outras. É o caso de algumas indústrias que focam o gerenciamento de riscos em processos que gerem risco a integridade física dos seus membros (como a perda de um membro) e esquecem os riscos à reputação da marca.

Um boato ou a divulgação de informações confidenciais não-éticas de uma empresa podem gerar grande dano às ações da organização, diminuindo seu valor no mercado internacional.

E mesmo que a informação divulgada não seja verdade, a memória das pessoas em relação ao que ouviram continuará existindo e gerir esse tipo de problema é muito complicado.

Por isso, é preciso considerar todas as possibilidades na hora de fazer o seu gerenciamento de riscos, evitando assim que as coisas se compliquem.  

Limitar a gestão de riscos aos gerentes

É importante ter documentado o seu gerenciamento de riscos, mas também é importante que ele seja colocado em prática quando necessário.

Ou seja, quando algum funcionário identificar um risco, ele deve ter o poder de tomar a decisão necessária para diminuir os danos.

Um exemplo análogo é uma situação de incêndio. Como forma de prevenir o risco, são implementados extintores e portas corta-fogo em uma fábrica, no entanto, um incêndio não será contido apenas com isso.

Ou seja, todos os funcionários devem ter igual poder para utilizar os extintores, fechar as portas corta-fogo e ligar para o corpo de bombeiros.

Por mais óbvio que isso possa parecer, quando falamos de situações que não envolvam risco à vida, alguns gestores acham que devem deter o poder.

Para uma boa gestão de riscos, é preciso que todos os funcionários entendam o que devem fazer quando identificarem um problema. E esse processo está intimamente ligado ao próximo tópico.  

Complicar a identificação dos problemas

Outro erro é complicar a identificação dos problemas. Como já dissemos, todas as empresa devem saber o que fazer quando identificarem uma situação de risco, mas primeiramente elas devem saber identificar esse tipo de situação quando virem.

Os riscos devem estar bem claros no documento de gerenciamento de riscos e o gestor deve capacitar seus funcionários para que eles possam identificar os riscos e tomar as providências.

Isso entra na questão de dar autonomia aos membros da equipe, pois se eles não sentirem que podem tomar esse tipo de decisão sozinhos, o gerenciamento de riscos não funcionará.

Faça com que cada membro da organização sinta que a empresa também é dele e também é de responsabilidade dele que as coisas corram bem.

Negligenciar possíveis riscos

Tudo o que pode gerar algum dano físico, organizacional ou processual – à empresa é considerado um risco e deve assim ser gerenciado.

Acreditar que alguns riscos são mais danosos que outros pode ser muito perigoso. Procure analisar cada um individualmente para buscar soluções para cada possível problema.

É o caso que já citamos anteriormente sobre não se preocupar com boatos que podem vir a existir, um forma de gerir esse tipo de risco é investindo em uma boa comunicação interna.

Achar que tudo é um risco

Por outro lado, achar que tudo é um risco também é um erro, pois você gastará muito tempo procurando soluções para coisas que nem problemas são.

Por exemplo, um funcionário pedir demissão pode gerar um problema para a organização mas também pode não gerar confusão algumas. Isso depende de outros fatores, como o cargo dele.

Portanto, identificar qualquer demissão como um possível risco te fará perder muito tempo se preocupando com algo não-tão-grave-assim.

Por isso, quando estiver fazer o gerenciamento de riscos da sua empresa ou do seu projeto, procure entender o que de fato é um risco e o que é apenas uma situação incomum.

Não colocar o gerenciamento de riscos em prática

Imagine que você e sua equipe criaram um documento super completo com as possíveis situações que podem gerar problemas para a organização. Bem legal, né?

Agora imagine que algumas das situações aconteceram e as pessoas decidiram lidar com elas de outra forma, e não da forma designada no gerenciamento de riscos.

Péssimo, não é? Isso porque o gerenciamento de riscos é feito para ser colocado em prática e não para ficar guardado e nunca mais visto.

Por isso, de nada adianta gastar tempo e energia pensando nas melhores formas de evitar problemas se isso não será colocado em prática na hora H.

O gerenciamento de riscos é apenas uma forma de garantir que tudo saia conforme o planejado, outra forma é fazendo o mapeamento de processos da sua empresa,que garante a conformidade dos processos da organização. Saiba mais através do nosso artigo sobre o assunto e boa leitura!

 

Deixe uma resposta